Se você é uma das pessoas que acreditam que onde há fumaça existe fogo, não vale a pena tentar a conhecer e ingressar no mundo BDSM;

Se você escuta acusações em chats e blogs e acredita nelas sem conhecer de fato a pessoa em questão e não verifica de forma legal cabível não vale a pena tentar conhecer e ingressar no mundo BDSM;

Se você discrima algum tipo de pratica ou como a pessoa é julgue primeiro a si mesmo, caso contrário não vale a pena tentar conhecer e ingressar no mundo BDSM;

Se não frequenta festas e eventos reais não vale a pena conhecer e tentar ingressar no mundo BDSM;

Não jogue pedra nos telhados do próximo, pode acontecer um vendaval e atirar a pedra em seu próprio telhado e quebrá-lo.

Pedidos de acessórios exclusivos para prática do Sado Masoquismo atravez do msn: lordomega2009rj@hotmail.com











MUITO PRAZER
LORD OMEGA - RJ - AUDACIOSO - SSC - SHIBARISTA...

Seja bem vindo(a) ao meu blog....

1)- O que é BDSM?

BDSM é um conjunto de vários termos. As três categorias principais são:

Bondage e Disciplina: também chamada de BD;

Dominação e Submissão: também chamada de DS ou D/S

Sadismo e Masoquismo: também chamado de SM

BDSM moderno é postulado em consentimento - informado e livremente determinado. A palavra consentimento é tão fundamental ao BDSM praticado hoje em dia, que há um número grande de ferramentas, vocabulário e práticas disponíveis para assegurar que as atividades que não são consensuais não aconteçam. Para os parceiros terem o consentimento assegurado, geralmente exige-se uma comunicação muito aberta. Terei muito a dizer sobre consentimento e comunicação.

Pessoas que praticam o BDSM não tem somente que achar um companheiro que o atraía fisicamente, mas principalmente um que tenha interesses proporcionais e específicos, combinando com os seus. Darei avaliações das quantidades indeterminadas de atividades e estilos considerados para o BDSM. Existirão coisas que você achará no BDSM que não será interessante. De fato, coisas que podem espantar ou achar indecente, vulgar ou grosseiro, então ignore. Esse efeito é tão comum que há uma palavra para isso. As pessoas dizem que elas estão squicked quando encontram algo que outra pessoa faz e isso o faz sentir-se mal. (A palavra é atribuída a Stella, uma famosa e articulada mulher feistily na comunidade do BDSM em São Francisco). "Se algo squicks você, apenas deixe a sessão e vá para qualquer outro lugar."

Um conselho: seja criativo. BDSM é uma experiência infinita em crescimento, criatividade, e exploração da interação interpessoal. Não importa com quantas pessoas você tem praticado atividades sexuais, o que você aprende, o que você experimenta e quando você faz, será sempre uma experiência nova para você. BDSM é um viver, é um aprendizado. Toda pessoa é única, toda relação é única, e toda interação é diferente.












Termos comuns usados no BDSM:

Atividades do BDSM entre parceiros consensuais às vezes são chamadas de cenas, sessões, ou jogos.
Instrumentos que podem ser qualquer utensílio doméstico como: cordas, colheres, gravatas, ou especialmente instrumentos comprados como: algema, floggers (um tipo de chicote multi-segmentos), ou mobília comum com parafusos para ajudar a fixar ou prender, são chamados de acessórios . Estes termos são usados somente para se ter uma maneira mais fácil de falar sobre o BDSM.

Atividades do BDSM são entre dois e às vezes mais parceiros. A pessoa principal ou que toma a iniciativa é chamado de Top (Dominador / Dominadora), a pessoa que segue ou é conduzida pelo Top é chamada de Bottom (submisso / submissa). Estes termos originaram-se da posição sexual onde o macho está literalmente em cima de sua parceira. Porém no contexto do BDSM eles são bastante gerais e não têm nenhuma conotação sobre quem está posicionado sobre quem. Dentro do BDSM existem sim: os Dominadores, as Dominadoras, os Switch, as Switch, os submissos e as submissas, darei essas definições mais à frente.












Embora algumas pessoas sejam 100% Dominador(a) e outras 100% submisso(a), existem pessoas (Switch) que trocam de papéis. Um modo freqüente de explorar o BDSM é um submisso(a) iniciante apreciar a arte através de um mentor (um Dominador(a) experiente que pode lhe ensinar sobre segurança pessoal, idéias, estilos e técnicas.)

Para a maioria dos integrantes do BDSM, ele é uma atividade muito sexual. Existem pessoas que praticam o BDSM em tempo integral também chamado de lifestyle (estilo de vida 24/7). Para outros, é uma atividade para ser vivida somente dentro de um quarto. BDSM é quase freqüentemente uma experiência muito pessoal, algo a ser trabalhado entre os parceiros, algo que cresce e muda com os indivíduos e em suas relações.












O que é uma relação baunilha (Vannila)?

O oposto de BDSM é chamado de relação baunilha (vanilla), um termo que grosseiramente se refere a uma relação sem qualquer elemento de BD, DS, ou SM. As distinções entre uma relação vanilla, foreplay, e BDSM não são claras. Como você se descreve é em grande parte uma questão de escolha pessoal. Muitas atividades comuns praticadas pelos vanillas, são de fato componentes de BDSM. Mas se você quer pensar em você como uma baunilha com uma pitada de hortelã, certamente será assim.

O que são bondage e disciplina / dominação e submissão, e sadomasoquismo

Visão geral

É interessante pensar nas experiências de BDSM sendo atividades físicas e psicológicas. Atividade física cobre qualquer coisa que envolve toque físico interpessoal . Alguns exemplos são: escravidão, sexo, fazer cócegas e causar dor, digamos, batendo ou chicoteando. Atividade psicológica cobre os efeitos psicológicos como castigo, adoração, amor, obediência, controle, ordens, humilhação, etc., como também os estados engendrados por ritual, simbolismos, ou atividade religiosa, catarse, ira, e uma variedade do que é chamado às vezes de "estados alterados".












O BDSM envolve ambos os elementos, físico e o psicológico. Por exemplo, um castigo pode envolver uma surra e um envolvimento emocional entre os parceiros. Semelhantemente, uma cena de luta envolvendo força inclui elementos físicos e psicológicos. Embora a maioria das pessoas explore apenas alguns aspectos de cada categoria em seu jogo, muitas pessoas somente usam uma categoria ou outra. Algumas pessoas especializam-se completamente em escravidão. Para outros submisso(a) basta só a sensação do jogo (interação física sem implicações de D&S), mas não tem nenhum desejo de submeter-se. Ainda há outros que só exploram dominação e submissão, e também há jogadores com regras sem dor ou escravidão ou tudo que não funciona pessoalmente para eles. E algumas pessoas buscam principalmente a dor. A mesma variedade de estilos de jogo caracterizam os (as) Dominadores (ras).

Cada um dos três termos, tradicionalmente carregam sentimentos e estilos de jogo que vão além das suas denotações. Isto é um pouco misturado. Estes termos surgiram em momentos diferentes e em circunstâncias
diferentes. Eles são usados por muitas pessoas para muitos propósitos. Os termos não são formalmente delineados; mas não obstante, cada proposta exige alguma perspicácia em experiências físicas e psicológicas.

Escravidão e Disciplina

B&D inclui todas as formas de escravidão (bondage) e restrição (restraint). Quando você está sendo amarrado por parceiro a uma cama e ele fica te excitando por horas, ou a intricadamente dolorosa escravidão com corda japonesa.

Suspensão (suspender o submisso(a) no ar por meio de cordas, correntes, ou arreios) é também uma forma de escravidão. Também nesta categoria está a mumificação (embrulhar em plástico, ou gesso), gaiolas, e várias formas implícitas e explícitas de amarras contratuais. Escravidão de qualquer forma é um dos elementos mais comuns de BDSM.

Disciplina, o outro componente amplamente praticado de B&D, tradicionalmente cobre toda a forma de castigos, e treinamentos, sejam eles físicos (dor) ou psicológicos (humilhação). Disciplina às vezes é parte do regime de treinamento do submisso(a). O treinamento pode se manifestar com uma variedade de estilos e podem ser alcançados os rigores da disciplina militar, ao ensino de uma criança ou para o gentil encorajamento de um valoroso criado.















Dominação e submissão

DS tem nos últimos 20 anos se tornado um termo crescentemente popular e u
ma atividade de interesse na imprensa popular. Formalmente, o termo enfatiza um persuasivo subgrupo dos componentes psicológicos de BDSM, notavelmente é chamado troca de poder. DS é amplamente experimentado pelos Dominadores (ras) como forma de mostrar controle, e pelos submissos(as) como forma de ser controlado. Quer dizer, os parceiros concordam em uma troca de poder, propriedade, comando, ou direitos de propriedade. O equilíbrio entre as rédeas para aquele cujo o controle é entregue através de um presente de aquiescência ou pela implicação (ou aplicação consensual) de força está no que os parceiros decidem.
Parceiros "trocam de poder" quando um parceiro, o submisso (ou "sub”) concorda em entregar ao outro parceiro, o dominante (ou "Dom" e às vezes para as fêmeas, "Domme" ou "Femdom"; o termo "dominatrix" geralmente não é usado para Dommes fêmeas). Lembre que o Dominador (a) é o líder da ação e o submisso (a) é o seguidor ou para quem as ações são feitas. Quer dizer, Doms e subs são tipos particulares de Dominadores (aa) e submissos (as) -- enfatizando a troca de poder no seu jogo. Algumas pessoas usam o termo Dom e sub como sinônimo de Top e bottom. Outros usam os termos Top e bottom para se referir às pessoas que enfatizam SM ao invés de DS no seu jogo. Quais as definições exatas estão sendo usadas fica normalmente claro no contexto, mas pode ser útil perguntar.

A troca de poder é expressa freqüentemente na forma do submisso aceitando ordens do Dominante. Muitas atividades que são bastante comuns, como ida para um jantar com o parceiro sem usar a calcinha (ou roupa de baixo) são formas de DS praticadas também por parceiros que praticam o sexo de vanilla.

Outros tipos de atividades diferentes, variando de serviços como polir as botas dos Dominantes, cozinhar o jantar, ajoelhar-se aos pés do Dominante, adoração de corpo, e privação de orgasmo ou gozar através de uma ordem, também são partes comuns de DS.

Outras formas de DS que exige grande confiança na realização de estados psicológicos particulares incluem jogos de medo (digamos, ameaçar o submisso (a) com uma faca), jogos de cenas (usando alguns elementos padronizados, como um professor com uma estudante, doutor com um paciente, um interrogador com um espião, um cachorrinho com o seu dono, etc.). Para começar a jogar que tal o jogo da idade (uma variante comum de jogo de cena no qual o Dominador (a) se torna o Papai ou Mamãe e o submisso (a) uma criança).

Outro elemento comum de DS é o mindfuck (algo como fuder a mente). Mindfucks são um tipo de artifícios, ilusões, ou forma de jogar com a mente do submisso (a). Às vezes mindfucks enganam o submisso (a) a acreditar que tudo que vê é real quando não o é. Assim, um mindfuck comum é para o Dominador (a) mostrar para o submisso (a) uma faca afiada, entretanto substituir por um artigo inofensivo (como um abridor de carta) antes de correr a lâmina em cima de um dos mamilos ou inserir o artigo na buceta ou ânus do submisso (a). Alternativamente, o submisso (a) poderia descobrir depois que a situação era pior que acreditou na ocasião. Mas geralmente, os mindfucks incluem qualquer tipo de manipulação mental.

Outro componente comum, entretanto de jeito nenhum generalizado, de DS é castigo, punição ou disciplina. (Isto também se classifica na categoria menos-usada de B&D, mas atualmente parece estar sendo discutido principalmente sob o título de d/s.) Castigos -- por exemplo: espancamentos, surras, ficar quieto de pé no canto da parede. Uma forma comum e agradável de jogo é o submisso (a) desobedecer ao Dominador (a) deliberadamente, e o Dominador (a) exigir que o submisso (a) execute uma tarefa desconhecida. Por outro lado, às vezes os parceiros organizaram os seus jogos dirigidos para alcançar mudanças de comportamento. Usando castigos e recompensas para treinar o submisso a se comportar de certa forma na presença do Dom é outro estilo de jogo bem comum, particularmente em relações de longo prazo.

Uma associação fundamental entre DS e SM é sadismo emocional / masoquismo emocional. A forma mais comum é embaraço ou humilhação. Exemplos incluem: tendo um parceiro dito que o sub se comportou desobedientemente, ou tendo o parceiro da pessoa se ocupado de uma atividade emocionalmente incômoda (por exemplo, se masturbar com as cortinas das janela abertas ou comendo em um prato de cachorro). Outra forma de SM emocional é abandono emocional: jogo em que o Dominador (a) responde friamente para o submisso (a) ou o deixa solitário. Paquerar com outra pessoa em uma festa ou se comportar com indiferença para o Dominador (a) depois de uma cena difícil (onde induzir ao ciúme ou a indiferença é parte do jogo) são exemplos, como a situação controversa de deixar um submisso (a) amarrado e impotente. (Antes de você faça qualquer coisa como esta última, pense em possibilidades extremas como: O que acontecerá se o submisso(a) tiver um ataque de coração ou uma crise emocional ou física como, formação de coágulos sangüíneos nas amarras enquanto ninguém está presente? É considerado perigoso deixar o submisso (a) amarrado, é não considerado seguro ou uma atividade recomendada.)

SM emocional é um tipo de jogo que é extremamente quente para algumas pessoas, mas deixa outras pessoas completamente horrorizadas. A palavra " humilhação " em particular, tem significados diferentes para todo o mundo.

O que faz uma pessoa se sentir envergonhada pode fazer outra pessoa se sentir humilhada ou ser degradante. É uma idéia boa para falar cuidadosamente com o parceiro o que vem a ser o do jogo de humilhação













Quatro Tópicos Especiais em DS

1)- DS envolvem regras padronizadas?

As regras de DS são padronizadas. Elas são normalmente elaboradas entre os parceiros durante negociações antes de jogar. A um submisso não pode ser exigido ajoelhar-se ao pé do Dominante a menos que os parceiros concordassem que ajoelhar é uma atividade aceitável no jogo. Também não pode ser exigido a um submisso submeter-se a Dominantes diferentes do próprio parceiro. Dominadores (ras) e submissos (as) não fazem sempre o uso de roupas de couro e botas ou manejam chicotes e correntes; nem os submissos sempre usam coleiras. É o caso, porém, que com a proliferação de DS na rede, muitos canais de conversa evoluíram os seus próprios comportamentos, comportamentos que divergem bastante da prática de DS na real vida (significando cara-a-cara). Em particular, é comum em IRCs e no ZAZ (aqui no Brasil por exemplo) e muitos canais de BBSs esperam que os submissos usem somente letras minúsculas nos seus nicknames e se dirijam a todos os Top/Dominantes como Senhor ou Senhora. Estas práticas não são encontradas fora à rede em grupos de BDSM que se conhecem pessoalmente.


De fato, pessoalmente o costume é justamente o oposto! Nenhum submisso ou o escravo é tratado como tal por qualquer um que não foi negociado permissão explicitamente para fazer assim. Dar uma ordem ou esperar qualquer coisa diferente da cortesia comum de um submisso é violar respeito humano básico. Este costume de tratar todos os não-parceiros igualmente, se eles são Dom ou sub, Top ou bottom, há muito tempo deu lugar a uma réplica famosa, que deveria ser usado por qualquer submisso sempre que achar que foi ordenado para fazer algo por alguém que não é seu parceiro.


2)- Eu posso ser um escravo, mas eu não sou seu escravo?


Outro exemplo desta customização é encontrado na forma que Dominantes e submissos se chamam. Não há nenhuma regra padronizada de como apontar quando alguém é um escravo ao invés de um submisso, ou um Mistress, Mestre, ou Papai, ao invés de um Dono ou Top ou Dominante. Nem há qualquer regra padrão sobre como chamar o Dominante "Senhor " ou "Madame" ou só pelo nome determinado de Dominador (a).


3)- O que é Jogo de Gorean?


Um tipo exótico de jogo como DS - altamente padronizado, baseado em uma série de romances de ficção científica sobre um lugar imaginário chamado Gor, no qual todas as fêmeas são extremamente diferentes dos machos. O que diferencia o jogo Gorean de DS é que DS não envolve qualquer regra padronizada que se aplicam a todos submissos ou a qualquer categoria de pessoas. As regras de DS são trabalhadas tipicamente entre os parceiros individuais de uma maneira altamente customizada.


4)- Pessoas estão fazendo BDSM apenas agindo fora das regras ?


A palavra "papel" tem muitos usos em BDSM e requer um pouco de esclarecimento. Pessoas às vezes se descrevem no papel de Dom ou o papel de um submisso quando jogam. Esta descrição pode ser muito enganosa para os novatos porque sugere que BDSM é sempre um jogo, ação, um estilo de comportamento, que desaparece quando a pessoa volta para "vida real", digamos, para o trabalho ou interagindo com a família ou amigos baunilla.


Similarmente, uma Dominadora não está tipicamente fingindo ser uma Dominadora, entretanto ele ou ela podem, adotar comportamentos externos particulares ou modos de se vestir.
Além do mais, até mesmo em pares de parceiros onde a pessoa pode estar no “papel” de Dominante ou submisso para agradar o outro parceiro, não é tipicamente estar jogando o tempo todo.
Normalmente os parceiros saem um pouco de real prazer e alegria de jogar entre si. É impróprio para um estranho sugerir que o que eles experimentam é qualquer coisa menos "real" que o que outra pessoa pode experimentar.


Isto geralmente não significa que estão fingindo o que eles estão fazendo. BDSM - em particular, se a pessoa é Dom ou sub, Top ou bottom - é um sentimento muito real para os participantes.


O que é Troca Total de Poder (TPE)?


Troca Total de Poder (ou TPE) é um termo que às vezes é usado para descrever uma certa classe de relações de DS 24/7 (de tempo integral) em que o submisso se rende ao Dominante com uma faixa muito grande de direitos para controlar a existência diária submissa. A escolha da palavra “total” é bem infeliz, desde que obviamente não é humanamente possível para um Dominante controlar toda piscada ou pensamento que um submisso poderia fazer ou poderia ter a cada momento do dia. Porém, o idealismo do Dom ter o direito de controlar completamente e tomar todas as decisões do submisso é muito atraente para algumas pessoas.Nem todas as relações de D/S 24/7 envolvem troca de total de poder. Nem TPE quer dizer que não há nenhuma negociação ou comunicação na relação. TPE é um conceito que dá lugar para muita controvérsia e debates veementes. Se você ama TPE e essa é a forma que você desfruta da sua relação, ótimo! Se você é cético, se existe ou não como ter uma relação desse modo, também ótimo!


Não há nenhum ganho se você penalizar o modo que outra pessoa joga, desde que no geral isto não o constranja de jogar do modo você quer.


Existem coisas como um verdadeiro dominador ou uma verdadeira submissa?


Em resumo: Não. Sendo um Dom ou um sub é uma questão de sentimentos pessoal. Quem pode dizer que isso que outra pessoa sente é real, coisas verdadeiras são o oposto do que você sente?
Há muitos Doms e subs sem experiência. Dominantes sem experiência de pessoais e reais com BDSM abundam, particularmente na rede. É fácil dizer coisa como "eu sou um verdadeiro Dom, ou “um verdadeiro sub sempre se curva ao mestre". Mas qualquer um que faz tal pronunciamento, até mesmo se a pessoa tem anos de experiência real em BDSM, é provavelmente só um falastrão. Está somente tentando impressionar pessoas que praticam BDSM, e pessoas vanilla -- mas qualquer um que diz que somente ele ou ela pratica BDSM está somente se vangloriando, da mesma maneira que alguém que você se encontra em uma bar anuncia "Você nunca experimentou realmente um grande orgasmo até que tenha fodido comigo"!


Sadismo e Masoquismo


S&M refere-se a atividades de BDSM que enfatizam interação física entre os parceiros. Atividade física varia do toque mais sensual, fazer cócegas com penas, até causar uma leve dor ou extrema dor. Dominadores (ras) e submissos (sas) que gostam de causar ou receber dor são chamados de sádicos e masoquistas, respectivamente. Os termos "sádico" e "masoquista" têm conotações diferentes em BDSM do que na imprensa popular ou na profissão de psicologia, e não implica não consensual, não atencioso, ou comportamento indesejável.


Atividades de SM são muito diversas e incluem todos os tipos de coisas surpreendentes que você pode nunca ter ouvido ou considerado. Beliscar mamilo , morder pescoço, braçadeiras e prendedores de roupa, escravidão, açoitar, chicotadas, palmadas, surras estão entre as atividades de SM mais comuns. Atividades de SM mais exóticas incluem waxplay (gotejar de cera quente no submisso {a} ), playpiercings (piercings temporários com agulhas estéreis), brandings (marcar com ferro que são normalmente permanentes), cortes (que podem ser permanente mas tipicamente não são), CBT (tortura de pênis e bolas, amarrando o pênis ou pesos pendentes nas bolas), fisting (inserindo a mão cheia na vagina ou ânus), controle de respiração (reduzindo fluxo de ar para o submisso (a), por exemplo com uma mão em cima da boca e nariz), fireplay (umedecer a pele do submisso (a) esfregando álcool e acendendo um fósforo), jogo elétrico (baixa corrente elétrica e choque de eletricidade estática), e cenas de briga.


Uma pergunta comum feita por novatos é: Como alguém pode gostar de experimentar dor? Há tantas respostas quanto há as pessoas que gostam disto. Para algumas pessoas, dor é diretamente erótica. Algumas pessoas têm orgasmos quando são açoitados; outros são altamente excitados através de prendedores de mamilo. Para outros, dor é acompanhada freqüentemente através de reações químicas internas, mais notavelmente pela liberação de substâncias químicas no cérebro chamadas endorfinas. (Endorfinas também são experimentadas por corredores e em outros praticantes de esportes físicos, e parecem ser liberadas como uma resposta à dor física contínua ou tensão.


Finalmente, para ainda outros, não há nada desejável que a dor, mas poderia estar associado com outros desejos ou sentimentos eróticos, como ocasionando medo erótico ou reforçando a percepção de poder do Dominador (a) sobre o submisso (a). Também há o caso de algumas atividades que soam ou parecem dolorosas a novatos, não são de fato percebidas como dolorosa pelo Dominador (a). Por exemplo, floggers são feitos de couros e são projetados para dar uma sensação de baque ao anûs do submisso (a) (ao invés de uma sensação cortante parecida com uma picadura dada por muitos chicotes de rabo único ou o beijo dolorido de um bofetão). A sensação é descrita por muitos como semelhante a uma massagem pesada.


Além disso, em muitas cenas o Dominador (a) vai esquentando e construindo sensações que relaxam o submisso (a) e criam gradualmente uma. Disposição para a cena. Relaxamento, respiração profunda, ou estimulo sexual pode, para muitas pessoas, fazer atividades que pareceriam dolorosa para um espectador, mas de fato é totalmente aprazível ou resulta em estados tranqüilos, sonhadores.


Cada pessoa tem reações e desejos diferentes. BDSM em geral, e em cada cena em particular, pode levar os parceiros para algum lugar surpreendente e novo. Para muitos, esta exploração do desconhecido é muito da atração do jogo.


2) - Espiritualidade e Religião em Relacionamentos de BDSM:



Muitas pessoas misturam seus sentimentos acerca de espiritualidade, cultural, e religião com suas atividades de BDSM.

Rituais usados no contexto do BDSM variam de atividades pessoais específicas do BDSM (como fazer submisso retirar as botas do Dom ao término do dia ou ajoelhar-se para receber uma coleira), ou criando atividades específicas próprias (como acender velas, queimar incenso, ou repetir uma oração ou poema antes de jogar), até atividades estritamente religiosas (especificamente budismo, ou o simbolismo Judaico-Cristão perto de feriados ou como parte dos jogos do dia a dia). A maioria dos casais que têm interesse em combinar suas convicções espirituais com seu relacionamento BDSM normalmente criam formas pessoais e criativas de combinar os dois.


É surpreendente, mas é verdadeiro, que muitas religiões tradicionais, notavelmente a maioria religiões Judaicas-Cristãs, não contestam especificamente as atividades de BDSM dentro de um contexto matrimonial ! Talvez porque tradicionalmente bater na esposa ou escravizar as esposas, infelizmente, não são atividades contestadas por estas religiões, BDSM consensual também não é considerado motivo para objeções seja pelas Igrejas ou pela lei Judaica. Atividades de BDSM entre parceiros casados são formalmente vistas como práticas privadas confinadas dentro dos relacionamentos matrimoniais. Isto não significa necessariamente que encontrará um ouvinte simpatizante quando falar com o padre ou rabino sobre o quanto às surras e a servidão em seu relacionamento de BDSM em particular com seu cônjuge fizeram que vocês dois ficassem mais íntimos. Mas significa que provavelmente pode não ser necessário esconder o relacionamento BDSM que você tem em outras discussões privadas com seu ministro, padre, ou rabino.


Porém, multiplicidade de parceiros não é aceita pela maioria das religiões modernas Judaico-Cristãs. (A exceção mais notável talvez seja a Igreja dos Santos Modernos que permitem que um homem assuma várias esposas). Parceiros múltiplos são condenados pelas religiões como adultério, e é freqüentemente usado como fundamento para um divórcio religioso (e claro que também civil) , como também motivo para uma possível censura pelo grupo religioso.


Para aqueles que mantêm o ponto de vista estritamente religioso que variam do Catolicismo ao Judaísmo, é tranqüilizador perceber que BDSM por si só não necessariamente apresenta uma inconsistência insuperável.


Poliamor e Swing


Poliamor (ou seja poli) significa ter múltiplos amores (o contrário de "monogamia" -- um parceiro matrimonial ou "poligamia" -- vários parceiros matrimoniais). A palavra "poliamor” tem um significado diferente de libertinagem sexual, casamentos abertos, e a prática de swiging sendo que poliamor normalmente refere-se a ter amantes múltiplos por muito tempo, em que todos se conhecem (entretanto eles podem ou não ser mutuamente íntimos) um ao outro. A ênfase na franqueza da comunicação e no equilíbrio com os múltiplos compromissos é a característica fundamental que distingue o poliamor de outras formas de parceiros múltiplos.

Freqüentemente, o amante mais íntimo da pessoa é chamado de primário, com outros amantes sendo chamados de secundários. Muitas relações de poliamores bem sucedidas giram em torno de um compromisso primário centralizadamente forte, um relacionamento que pode começar até mesmo monógamo e apenas gradualmente estendido a incluir outros.


Porém, relações de poliamores têm outras formas de expressões também. Uma forma de poliamor é entre pessoas que têm relações igualitárias dentro de pequenos grupos de três ou quatro pessoas, ocasionalmente vivendo juntos até mesmo como um grupo. - “Casamentos abertos” - também podem ser formas de poliamor se os amantes externos forem de muito tempo e sabem um sobre o outro; a linha divisória não é muito clara.


Poliamor a princípio não tem nada que ver com BDSM. Poliamor e monogamia são simplesmente duas alternativas diferentes para estilos de relacionamentos, indiferentemente se a pessoa é baunilha ou pratica BDSM. Porém, possivelmente porque nem todo o BDSM necessariamente envolve atividade sexual, ou possivelmente porque as pessoas que fazem BDSM tendem a ser altamente claras na comunicação e franqueza com os seus parceiros como esses que se consideram poliamores, a discussão e prática de poliamor parece estar muito acima do BDSM. Uma forma comum que poliamor aparece em BDSM é quando um casal de baunilhas encontra o BDSM e descobre que os seus interesses em BDSM não coincidem.


Por exemplo, se um parceiro quer submeter e o outro parceiro não quer dominar. Uma questão comum é: - "Eu posso ir jogar com outra pessoa, então ?" - Claro que, ninguém além do próprio casal pode responder a essa pergunta -- cada relação é diferente. Porém, casais que se encontram algumas vezes nessas complicações encontram um pouco de benefício em rearranjar as suas relações para incluir o poliamor.


Poliamor não é fácil (nem a monogamia é !), mas as pessoas que a escolhem freqüentemente encontram recompensas para valer a pena o esforço extra.


Toda pessoa adicional a um grupo de parceiros tem os seus próprios limites, desejos, fragilidades, constrangimentos, e preocupações, para não mencionar os riscos adicionais de DSTs (doenças sexualmente transmitidas) e atritos interpessoais, medos de mudança, ou ciúme que pode surgir. Para muitas pessoas, entretanto, a verdadeira recompensa e atração é precisamente a descoberta que a comunicação franca pode, para alguns, superar as tradições sociais que inibem a comunicação dos desejos que os parceiros amorosos compartilham ocasionalmente. E freqüentemente quando não puder, mesmo ato de se preocupar e aprender sobre si mesmo ou o parceiro pode valer o risco. Não dizer que nunca resulte no risco de dissolução de relações e falar bobagens; você mesmo é que tem que pesar os fatores.


BDSM Versus Swinging


A prática associada com parceiros múltiplos (poliamor e parceiros casuais) em BDSM difere substancialmente da prática de Swiging. Notavelmente, Swingers tendem a fazer as coisas em pares, com um par de parceiros que procuram outro par de parceiros de forma que todas as quatro pessoas gostem um do outro o bastante para conseguir um envolvimento sexual ou intercambiar entre si. Em BDSM, a insistência que as pessoas aceitem o quarteto, todos juntos, seria apenas uma coincidência. Se uma pessoa em um casal quer experimentar se submeter com facas e a outra pessoa quer dominar alguém chamando a pessoa de prostituta, seria altamente improvável para o casal poder encontrar um outro casal cujos interesses são exatamente o que o parceiro quer como Dominador (a) em uma cena de faca e o outro quer ser chamado de prostituta ! A improbabilidade de coincidir interesses para os quatro, coincidir interesses em BDSM, é raríssimo.

Uma segunda notável diferença entre multiplicidade de parceiros em BDSM e Swiging é evidente em eventos públicos. Em eventos de Swinger, um leve toque é comumente a primeira aproximação para ver se alguém está interessado em você. Se duas pessoas estão fazendo amor em um colchão e outra pessoa está interessada em se juntar, normalmente se toca ligeiramente a perna ou braço de um dos amantes e aguarda por um aceno ou sorriso como método de comunicar que foi aprovado.


Mas em um evento de BDSM, tocar alguém até mesmo no braço dentro do espaço social é usualmente considerado impróprio; e chegar em uma cena e tocar em um dos parceiros, o máximo que vai conseguir e ser jogado para fora da festa ou clube ! A forma comum de descobrir se alguém está disposto a jogar com você é perguntar para aquela pessoa em alguma hora durante uma conversa social.


Uma terceira forma na qual Swingers diferem do BDSM vem da ênfase que o BDSM está na comunicação verbal prévia, na normalmente chamada negociação. Sexo baunilha não é tão variado e nem tão arriscado quanto o BDSM.


Atividades baunilha incluem atividades familiares para a maioria dos adultos: beijar; acariciar ou lamber o corpo suavemente, e particularmente peitos e órgão genitais; fellatio; cunnilingus; e intercurso.


Essa lista é estreita e bastante familiar para a maioria dos adultos serem capazes de rapidamente ler a linguagem do corpo em detalhes. Se você não quer algo ou quer fazer um pequeno ajuste ao que a outra pessoa está fazendo em um evento de Swinger, normalmente é fácil de comunicar com linguagem do corpo ou um breve comentário sussurrado.


Algumas palavras ou uma troca de posição do corpo normalmente é o truque!


Em BDSM, a gama de atividades é tão ampla, e tão potencialmente pouco conhecidas, e às vezes tão diferente aos indivíduos envolvidos que a uma discussão prévia pode prevenir muitos enganos. Se você inesperadamente colocasse uma faca na garganta da alguém na hora em que está segurando o cabelo dessa pessoa a costume social, sem mencionar a parte da lei, é julgar isto um ataque! Chamar alguém de "prostituta" na hora em que se está segurando a cabeça junto a seu pau ou buceta, ou ordenar alguém que se ajoelhe próximo a você em um restaurante, ir para um canto distante são práticas suficientemente incomuns que simplesmente desenvolvidas e personalizadas em eventos de BDSM que devem ser negociados com antecedência com pessoas que praticam o sexo baunilha. (Neste caso, poderiam ser chamados de jogos "pickup" e envolvem tantos detalhes dos parceiros um sobre o outro que muitas pessoas que estão casadas durante anos não perguntam ! As negociações envolvidas antes de jogar com alguém totalmente novo em um evento BDSM é totalmente pessoal; e só se consegue um bom envolvimento pessoal depois de anos de jogo junto com o parceiro).


Enquanto nós BDSMs somos assim, uma quarta, ainda que pequena, diferença entre os Swingers e pessoas que fazem BDSM é o refrão comum aos Swingers: "Não significa Não !" Em BDSM, a exigência idêntica de consentimento certamente se aplica, mas os parceiros negociam freqüentemente uma palavra de segurança que difere da palavra "Não". Se você está a um evento de Swinger e alguém diz "Não" e ninguém perceber, você legitimamente pode ir ajudar. Se você está a uma playparty ou clube de BDSM e alguém diz "Não" e ninguém perceber, você não tem certeza sem nenhuma sombra de dúvida se o consentimento está sendo violado. (Normalmente os playparties têm anfitriões ou DMs cujo trabalho é avaliar ou descobrir se o consentimento está sendo violado, e se você está em dúvida, você deve certamente chegar ao anfitrião ou DM e avisá-lo.)


Eventos e Reuniões de BDSM


O que são Munches ?


Um Munch é uma reunião social de grupo de pessoas simpatizantes ou praticantes de BDSM para um café, almoço, ou jantar. Normalmente os munches acontecem em restaurantes e são anunciados publicamente. Eles normalmente são orientados a criar um ambiente onde os novatos se sentirão bem-vindos e confortáveis. O traje é tipicamente casual, e os organizadores do Munch normalmente são muito sensíveis às preocupações que muitos novatos tem sobre identificação e segurança. Para muitas pessoas, um Munch é o primeiro contato cara a cara que eles têm com a grande Comunidade de BDSM. O primeiro Munch foi chamado de Burgermunch e foi organizado por Stella na Califórnia fora de São Francisco. Foi um sucesso imediato e gerou muitos desdobramentos bem-sucedidos por todo os Estados Unidos. Muitas cidades por toda parte dos Estados Unidos e na Europa têm um Munch normalmente em intervalos periódicos. No Brasil são poucos os Munches e são concentrados principalmente em capitais e grandes cidades, principalmente em São Paulo, catipal. São divulgados anúncios de Munches regularmente em newsgroups ou chats específicos na Internet. Se não houver nenhum grupo de Munch em sua área, considere começar um você mesmo! Como moro em Brasília participo de um grupo que tenta criar uma comunidade local para realizar munches e outros tipo de encontros.


O que é um Playparty?


Playparties são festas onde jogo é permitido. A maioria dos playparties são eventos privados organizados em casas de pessoas praticantes ou simpatizantes, mas alguns grandes eventos são organizados em hotéis ou clubes.


Playparties tendem a ter ambientes mais limpos que clubes públicos de BDSM, porque os convidados são normalmente selecionados e com poucos ou nenhum penetra.


Playparties pode ser forma maravilhosa de conhecer outras pessoas que fazem BDSM, aprender sobre segurança e técnicas (muitos jogadores experientes ficam lisonjeados de serem perguntados como açoitar ou como fazer uma amarra em bondage), receber idéias criativas para seu próprio jogo, e, se você gostar disto, jogar na presença de outras pessoas com seu parceiro. Jogar em público em uma festa também pode ser uma forma relativamente segura de jogar com um parceiro completamente novo. Por outro lado, jogar na frente de outros tende a intimidar muitas pessoas a fazer cenas extremamente íntimas ou intensas.


Playparties normalmente não é para se conseguir parceiros. Isto é não dizer que você não conhecerá alguém em um playparty e eventualmente acabar jogando com essa pessoa, mas apenas que esse evento em todo o mundo se encontra, não é a meta da festa e é muito provável que você só conseguirá ser chutado para fora. Playparties também são comumente sem bebidas alcoólicas. Se você for trazer algo para os anfitriões, traga frutas frescas ou bolos de chocolate, e não cerveja ou vinho. Um costume bem conhecido em playparties inclui a regra padrão "Não toque" (quer dizer, é inaceitável tocar alguém sem perguntar, nem mesmo no braço em uma conversa), nunca tratando alguém novo que você conheceu, mesmo que você tenha a certeza absoluta que é um submisso como se a pessoa fosse seu submisso, além disso nunca tocar em qualquer brinquedo de ninguém sem pedir permissão, e ter respeito pelo espaço onde outras pessoas estão jogando.


Às vezes as cenas a playparties podem ser bastante intensas. Se você está a um playparty e vê uma cena que o perturba, o normal é deixar o quarto silenciosamente. (Uma providência comum para playparties é a festa ter um Quarto Social onde nenhum jogo é permitido, em parte para tais eventualidades.) Se você acredita que uma cena é não consensual, o costume é perguntar para o anfitrião ou para um designado Mestre de Calabouço (DM - Dungeon Master) sobre a cena. É impróprio intervir diretamente em uma cena a menos que haja uma completa emergência (por exemplo, se uma armação se desmoronasse nos jogadores). Se você e seu parceiro estiverem considerando fazer uma cena que poderia parecer insegura ou não consensual, é uma boa idéia obter permissão primeiro dos anfitriões ou DMs, e ter marcas para que um espectador não comece a se preocupar o bastante para intervir.


Playparties tendem a proporcionar maiores oportunidades de se jogar intensamente do que clubes públicos porque os playparties são assistidos tipicamente por pessoas que conhecem bem um ao outro o bastante para ter uma noção da forma que eles jogam cada jogo. Por outro lado, só porque alguém está em um playparty não necessariamente significa que os anfitriões possam garantir que aquele indivíduo é um jogador seguro bastante para você pessoalmente. Negociação e checar as referências das pessoas ainda são importantes.


Sinalização, Coleiras, Couro: Moda BDSM:


O que você usa é uma questão pessoal, não uma exigência, por causa do BDSM. Por razões históricas, roupas de couro pretas, calças e botas são uma visão comum a eventos de BDSM. Mas se você preferir uma camiseta branca e calças jeans ou do jeito que se sentir mais confortável por ir assim. Não há nenhum código padrão de roupas para se usar em eventos de BDSM. Em eventos de jogos, a menos que as regras especifiquem o contrário, a vestimenta varia de vestidos de noite até pelado. Algumas pessoas mostram seus chicotes e interesses em BDSM, mas outros não.


Se você gosta de se vestir a rigor em fetishwear, seja um colete (corset), botas, ou látex, eventos de jogo são normalmente grandes lugares para se expressar.


Coleiras às vezes são usadas por submissos como símbolos das relações de DS. Porém, muitos outros símbolos são também comumente usados, inclusive piercings, braceletes, cintos, tatuagens, etc. Não existe um símbolo que seja universal, e os parceiros é que devem decidir. Note que roupas de couro preto e colares que se parecem com coleiras ficaram muito à moda hoje em dia entre góticos e outros, assim, alguém usando uma coleira não necessariamente é praticante de BDSM ! Usar um sinal (chaves ou um lenço) pendurado na pessoa no bolso de trás para indicar interesses é uma tradição antiga em comunidades de homossexuais e também é utilizado por muitas pessoas que fazem BDSM.


Sinalizar usando algo no bolso de trás não tem nada a ver com os sinais usuais. Mas enquanto nós fazemos assim, a bandeira do Orgulho do Couro de Tony DeBlase exibida aqui é um símbolo de BDSM amplamente reconhecido.


Outro símbolo de BDSM que tem se mostrado muito utilizado é este triskelion (um redemoinho de três pernas ou braços que emanam de um ponto central, também chamado um triskele). Este símbolo, chamado o Emblema do BDSM por seu criador, Quagmyr, está relacionado com figuras semelhantes com raízes Célticas e orientais, mas oficialmente difere tendo "olhos" que são abertos ao fundo em vez de pontos fechados. Podem ser encontradas mais informações sobre a história e significados destes símbolos nos links acima.


A Comunidade de Cena:


A Comunidade de cena, ou Comunidade de couro, refere-se a pessoas que se interagem socialmente, para jogar, ou com o propósito de apoio com outros que fazem BDSM. Ser um "membro" de uma Comunidade de cena é um conceito nebuloso como ser um golfista -- você pode ser um participante ávido ou casual, como você quiser. A Comunidade de cena inclui algumas pessoas que estão "fora" sobre as suas atividades de BDSM. Inclui alguns que organizam os Munches, grupos educacionais, eventos de jogos públicos, e alguns que se ocupam fazem lobby político para influenciar leis que afetam o BDSM. Mas também inclui muitas pessoas que não expõe suas atividades de BDSM, não tem nenhum desejo de jogar em locais públicos, ou não tem nenhum interesse de fazer declarações políticas.


Há nenhum limite local, nacional ou internacional à Comunidade de Cena. Contudo, uma noção de comunidade global é evidente. Muitos costumes (como negociação, segurança e interesse em privacidade, ênfases em compreensão e respeito, e atividades de jogo específicas) são notavelmente semelhantes de uma região ou subgrupo para o outro.


Além disso, se você for para alguns eventos, mesmo eventos locais como munches ou reuniões privadas, você logo descobrirá que as pessoas que você encontra em um lugar conhecem as pessoas com quem você encontrou em algum lugar no outro lado do país.


Há estilos diferentes dentro de homossexuais, lésbicas, e subgrupos heterossexuais de BDSM. Estilos também diferem em grande parte dependendo de onde e de com quem uma pessoa primeiramente aprendeu sobre BDSM. A informação viaja rapidamente nesse dias da era da informática, mas a Comunidade de Cena, amorfa como ela é, vem antes e provavelmente ultrapassa os computadores como mecanismo de compartilhar informações sobre BDSM.


3)- Segurança no BDSM



Segurança emocional e física -> BDSM é doença ?


Palavras como dor, sádico e masoquista soam como um aviso para muitos iniciantes quando se fala em BDSM. As pessoas vêem estas palavras e imediatamente pensam em situações abusivas, não consensuais.

Lembre-se, entretanto: BDSM se refere a atividades consensuais. Isto não significa que ninguém que faça BDSM abusivo ou sempre é abusado, mas simplesmente, que para uma grande parte das pessoas, S&M é divertido, prazeroso e recompensador. A diferença entre abuso e atividade consensual é uma área de constante preocupação em BDSM, se você está considerando sua própria situação, do parceiro, ou de completos estranhos sobre quem não se tem nenhum controle. O que atrai os indivíduos para o BDSM varia de pessoa para pessoa. Muitas pessoas sonham com isto desde a infância e apenas descobrem que é possível encontrar parceiros com o mesmo sentimento muito tarde na vida. Outros encontram por acaso, quando adultos, ouvindo falar disto de um amigo ou pela rede (internet) ou mídia (mesmo que ainda timidamente). Muitos submissos (as) têm posições responsáveis em sua vida cotidiana e acham que o contraste de ser capaz de relaxar em vez de fazer todo o trabalho muito atraente. Muitos Doms são afetados por sentimentos de não protetores que nutrem e misturam com qualquer sentimento de poder ou sadismo que eles experimentam com os seus parceiros.


Quase universalmente, a realidade de que pessoas experimentam não são como as representações simplistas de BDSM. É uma questão em aberto que as pessoas que são levadas para BDSM têm, em média, histórias muito freqüentes de uma infância traumática ou experiências de vida de pessoas que não têm nenhum interesse em BDSM. Não parece haver qualquer evidência direta que sugira isto, embora a pergunta ocorra a quase todo o mundo que deseje saber sobre o assunto.


A evidência estatística que a atração para o BDSM é um problema ou está associado com dificuldades em sua vida cotidiana é inconclusivo. Conseqüentemente, por muitos anos, os psicólogos não classificaram o BDSM como sendo por si só um comportamento aberrante. Se você está insatisfeito com seu terapeuta, médico, você deveria procurar um profissional mais amigável.


Há certamente o caso de pessoas que fazem BDSM porque foram abusados ou foram estuprados. Se a incidência de tais histórias é maior entre esses que fazem BDSM ou na população de baunilha esse fato é desconhecido.


Entender isso é complicado por dois fatores:


Primeiro, os psicólogos têm como sua amostra principal pessoas que estão preocupados o bastante para pedir ajuda. Esta amostra, por sua natureza, é formada por pessoas que foram sujeitadas a histórias de abusos não consensuais. Infelizmente, essas atividades abusivas são semelhantes a atividades consensuais praticados pelo BDSM moderno. É fácil esquecer que o que é feito sem consentimento, sem amor ou sem preocupação, não pode ter nenhuma semelhança com o que é feito consensualmente, particularmente essas atividades parecem iguais a um estranho ao relacionamento.


Uma segunda complicação importante em se comparar estatísticas preparadas por esses psicólogos com a experiência atual de BDSM, é que quem pratica freqüentemente BDSM são ou gradualmente se tornam abertos e francos sobre suas histórias. Praticar com um parceiro sem permitir uma troca de histórias pode se arriscar a tropeçar em uma lembrança assustadora no meio de uma cena. Quer dizer, as pessoas que fazem BDSM tem um incentivo para serem mais francas que as pessoas que fazem sexo baunilha. Assim, estudos que comparam BDSM com atividades baunilha poderiam ser influenciados pelo fato que as pessoas que fazem BDSM são mais prováveis de informar livremente qualquer história abusiva com eles que as baunilhas.


A primeira regra apontada para a segurança emocional é : Quando chegar em você, faça somente o que desejar fazer. Se dor não é para você, não faça ! Se submissão não é para você, não faça ! Se mandar ou dominar não é para você, não faça ! O mesmo vale para todos os aspectos do BDSM, inclusive escravidão, humilhação, suspensão, jogo elétrico, e tudo mais.... Se você não gosta disto, então não faça. É muito simples. O que você faz é sua responsabilidade. Se seu parceiro quer que você faça algo e você não pode, é sua responsabilidade falar honestamente pra você mesmo. Você não está pronto para jogar, muito menos para se preocupar com os outros, se você não tem a segurança para avaliar e fixar seus próprios padrões. É sim, a vida é complicada, não é preto no branco e não é sempre trivial. Mas é sua tarefa ter a responsabilidade final sobre você.


O contrário desta observação é ter um pouco de fé, e acreditar que as pessoas que você escolheu para praticar BDSM também sejam adultos e responsáveis, até mesmo se eles diferem de formas surpreendentes para você ! Você ficará surpreso ao descobrir que as pessoas que praticam BDSM lutam com tal questão todo o tempo. O tabu religioso, social, familiar, e de amizades que associam BDSM com abuso são tão penetrantes que quase ninguém faz BDSM sem desejar saber eventualmente de alguma forma sobre as possíveis conseqüências negativas ou motivações por trás do que eles estão fazendo. É saudável desejar saber.


Não há nenhuma resposta uniforme de como se portar em situações onde você está inseguro e se a outra parte sabe a distinção entre abuso e consentimento. Você apenas faz o melhor que você pode para se manter entre o respeito e a preocupação.


Técnica segura, Sexo Seguro, SSC, e Mais


BDSM é arriscado. Pode ser emocionalmente arriscado, fisicamente arriscado, ou ambos. As principais perguntas são: quanto risco você deseja correr, e que tipos de riscos que você pessoalmente está apto a aceitar ?


Isto é apenas um pouco do que há para se aprender em termos de segurança. Por mais que você aprenda, muitas vezes você fica embaraçado com o pouco conhecimento na primeira vez em que você experimenta algo. Você sabe amarrar os pulsos de alguém sem causar compressão imprópria nos nervos?


Você sabe onde é seguro bater em alguém com um flogger? Você sabia que jogo de eletricidade só é recomendado abaixo à cintura, e por que? Você sabe o que fazer se alguém desfalecer? Você sabe limpar, cuidar e fazer uma bandagem de um sangramento que começou acidentalmente quando você raspou uma verruga com suas unhas? Dominadores (as) freqüentemente praticam habilidades novas em si mesmos antes de experimentar no parceiro. Também é comum para Dominador (a) pedir para um jogador experiente que lhe mostre técnicas de primeiros socorros.


Um interessante e introdutório método de aprendizagem é descrito na página de David na sua visita em uma casa de dominação/submissão profissional. Dominadores (as) às vezes assumem muita responsabilidade com respeito às vidas emocionais dos submissos (as). Enquanto a maioria dos Dominadores (as) não quer se ocupar com terapia que podem ser mais bem aplicados por conselheiros e psicólogos qualificados, Dominadores (as) e submissos (as) são normalmente preocupados com parceiros que não estão vivendo em um vazio quando eles interagem. Na maioria das relações, baunilha e/ou BDSM, os parceiros cuidam um do outro e ajudam um ao outro se é encontrado algum trauma emocional. As cenas podem ser muito intensas, e às vezes pode tocar o submisso (a) ou o Dominador (a) em pontos emocionais. Os jogadores experientes sabem que eles podem encontrar surpresas ou recuperações duradouras em cenas extremas; e submissos (as) e Dominadores (as) precisam entender que BDSM não só acarreta riscos físicos, mas também riscos emocionais. Você não deve jogar se não entender o risco que está correndo, físico e emocional.


Sexo seguro e troca de fluídos corpóreos é outra área de preocupação e aprendizagem em BDSM, até mesmo entre parceiros monogâmicos.


Algumas atividades de BDSM diferente do sexo penetrativo também envolvem exposições fluidos corpóreos; e muitas atividades de BDSM envolvem o risco de acidentalmente derramar sangue. Precauções padrão contra doenças sexualmente transmitidas (hepatite, HIV, herpes, verrugas genitais, etc.), como preservativos e o Dominador (a) vestir luvas de látex e aprender sobre os riscos dos fluidos corpóreos como também o básico sobre primeiros socorros, é comum em BDSM. Cortes e piercings envolvem com o fluxo de sangue diretamente, assim não só os Dominadores (as) devem usar luvas, mas as áreas a serem trabalhadas devem ser desinfetadas primeiro com um antibiótico (Betadine é o mais comumente usado) e limpo com álcool. Sexo anal, fistings (vaginal e anal), e penetração com brinquedos, todos os que são comumente usados como item penetrante (pênis, vibrador, plug, punho, dedos, etc.), são cobertos em látex. Algumas pessoas usam protetores dentais para sexo oral como cunnilingus. Se você quer aprender mais sobre opções de Sexo Seguro, a Sociedade para Sexualidade Humana tem um relatório excelente, completo, com recomendações. Uma avaliação dos procedimentos de segurança recomendados para limpar feridas e brinquedos expostos a fluidos corpóreos pode ser encontrado na seção Limpar e Desinfetar.


Estar sob a influência de álcool enquanto está jogando -- até mesmo uma pequena taça de vinho -- é visto amplamente como uma prática insegura. Álcool reduz a velocidade do tempo de reação e entorpece sensibilidade para dor. A maioria dos Dominadores (as) se orgulha da capacidade que eles tem de parar ou redirecionar o lançamento de um chicote ou flogger em alguns centímetros se uma palavra de segurança foi dita no meio do golpe. Um submisso (a) que tenha bebido pode não reconhecer ou reagir com rapidez para indicar ao Dominador (a) que a dor não é uma "boa dor". Beber e jogar são vistos comumente como perigoso e uma regra comum entre os praticantes (parceiros que deixam jogar. A maioria das drogas entra em uma categoria semelhante (entretanto algumas drogas têm histórias de serem usados durante o jogo), e é bom não misturar com jogo se segurança é um das principais preocupações).


Um refrão comum em BDSM é que atividades de BDSM deveriam estar Seguras, Sadias, e Consensuais (ou SSC). Enquanto isto faz uma frase cativante, os dois primeiros conceitos são surpreendentemente escorregadios para se definir. Cruzar a rua todo dia não é 100% seguro, e você está se enganando se pretende que BDSM seja altamente seguro quando de fato, BDSM é muito mais arriscado. O conceito relevante aqui é que as metas dos parceiros podem minimizar para levar a ter nenhum risco ou que podem ser evitados facilmente. Semelhantemente, "sadio" simplesmente não é um termo que pode ser definido objetivamente.


Não importa o que você deseja fazer, alguém já fez isto antes de você e tem algo a aprender com a experiência. Há uma declaração em BDSM, chamado a Lei de Ugol : A resposta para a pergunta “Eu sou o único que faz X ?" a resposta sempre vai ser "Não". Não importa o que você fez, queira fazer, ou pensa fazer, você não está só. Por que também não aprende com a experiência dos outros ? Existem as pessoas que vão além de limites onde você sonha; e freqüentemente eles são encantados para compartilhar experiências. Recursos hoje em dia estão disponíveis em livros, por links na internet, e através de grupos educacionais/social em sua comunidade local.


É Seguro Conhecer um Parceiro Novo?


Qualquer hora que você conhecer um novo parceiro, seja baunilha ou BDSM, é de bom senso fazer em um local público, como um restaurante ou centro comercial. Com o advento da Internet como um modo de marcar encontros com pessoas que não são conhecidas nem no trabalho ou através de um amigo, esta precaução ficou mais crítica.


Outra precaução famosa e recomendada para se marcar encontros com estranhos é deixar que um amigo saiba que você está conhecendo alguém novo, e combinar com seu amigo que se você não o chamar por um certo tempo, seu amigo fará tudo o que for necessário para encontrá-lo e isso inclui chamar a polícia.


Atividades de BDSM potencialmente vão além do sexo baunilha, cuidados e precauções adicionais de segurança se fazem necessárias. Um costume adicional comum em BDSM é Dominadores (as) experimentados oferecerem referências. Este costume é tão surpreendente a novatos que leva algum tempo para se acostumar. Um comportamento social usual não inclui ir a um parceiro anterior ou atual do amante de baunilha para perguntar se aquela pessoa é segura.


Mas em BDSM, é comum perguntar a um Dom por referências. De fato, se você está falando a um Dom que não ofereça ou até mesmo recusa deixar que fale com qualquer parceiro anterior ou atual, deverá soar um alarme. Pense nisto: você quer ir para um quarto de hotel com alguém que vai lhe amarrar sem ter algum tipo de referência?


Ferramentas de Consentimento:


Forçar ou induzir um parceiro a fazer uma atividade não desejada ou situação de relação é vista por pessoas que fazem BDSM como "Não Ok" -- quer dizer, potencialmente abusivo, pouco ético, ou indesejável. Algumas ferramentas e costumes comuns para se evitar entrar em uma situação indesejável que discutiremos são:


Comunicação:


"Comunicação, comunicação, comunicação...”. Você ouvirá isto inúmeras vezes quando buscar saber mais sobre BDSM. Comunicação acontece antes, durante, e depois de cenas; acontece como parte de toda a relação entre os parceiros.


A magnitude da comunicação entre pessoas que são praticam o BDSM freqüentemente surpreende os novatos. Compartilhando as fantasias não os arruína, mas freqüentemente une os parceiros mais intimamente e traz cenas mais poderosas que qualquer parceiro sonhou. Comunicação sobre o que a pessoa fantasia, se ou não os parceiros na verdade querem fazer isto, pode ser o começo de um jogo criativo, excitante, intrigante e novas perspicácias. Para algumas idéias excelentes de como começar a se comunicar com seu parceiro sobre fantasias e idéias de BDSM.


Cuidados posteriores:


Comunicação depois de cenas é parte do que é chamado cuidado posterior. Cuidados posteriores é um tempo quando os parceiros se abraçam, descompressam, e eventualmente falam sobre as partes boas e ruins da cena. A importância da qualidade dos cuidados posteriores não pode ser acentuada o bastante. A maioria das pessoas faz cuidados posteriores naturalmente, com ambos os parceiros que desfrutando isto como parte de toda a experiência de BDSM. Cuidados posteriores imediatos consistem tipicamente em meia hora ou um abraçar quieto, no qual os parceiros dormem ou podem se sentir vivos novamente. O Dominador (a) tem certeza que o submisso (a) está confortável, quente, e tem um pouco de água disponível para beber durante este tempo. Às vezes cuidados posteriores é o tempo para uma interação sexual -- a própria cena pode ter sido um tipo de foreplay. Freqüentemente os parceiros se sentem como se estivessem flutuando juntos, e gostam de prolongar esse sentimento. Há comumente sentimentos de proteção, preocupação, agradecimento, e compreensão mútua e profunda compartilhado pelos parceiros.


Bons cuidados posteriores não terminam com o relaxamento imediato que se segue a uma cena. Em minha experiência, normalmente os Dominadores (as) retornam para um estado completamente alerta antes dos submissos (as). Se o submisso (a) precisa de qualquer curativo ou um lanche, os cuidados são levados prontamente. Os parceiros normalmente começam a falar sobre a cena depois de um tempo. É uma boa idéia para o Dominador (a) seguir o submisso (a) conduzindo e começando esta discussão.


Enquanto alguém está flutuando em sereno êxtase não é o melhor momento para o Dominador (a) começar perguntando, "E aí, como foi ? Você gostou quando eu lhe disse que contasse para trás enquanto eu estava açoitando-o no final da cena”


Alguns submissos (as) aceitam melhor se esses tipos de perguntas fossem feitos com o atraso de alguns dias. Até mesmo quando submissos (as) parecem estar completamente recuperados, eles ainda freqüentemente precisam de mais cuidados posteriores, é até certo o Dominador (a) uma hora depois perguntar como ele está se sentindo. É freqüentemente difícil para um submisso (a) pedir ainda mais cuidados depois que o Dominador (a) trabalhou duro na cena e continuou depois sendo protetor e atento. Por outro lado, Dominadores (as) também têm desejos. Não é incomum para Dominador (a) sentir um pouco de inquietude ou desejar caminhar ao redor do parceiro. E sufocar o submisso (a) com atenção solícita também pode ser contra-producente. Cuidados posteriores contínuos consistem tipicamente nos parceiros continuarem falando periodicamente sobre qualquer cena que foi difícil. Outras vezes os parceiros voltam ocasionalmente a discutir a cena durante semanas ou meses. Perguntas importantes para os parceiros discutirem são: se a cena foi efetiva, se foi muito longa, e que elementos poderiam ser mudados, ou o que poderiam ser explorados mais, ou que poderiam ser melhorados da próxima vez. Às vezes submissos (as) gostam de escrever as suas cenas criativamente. Às vezes Dominadores (as) também o fazem.


Palavra de segurança:


Um das ferramentas mais comuns de comunicação dentro de uma cena é chamada palavra de segurança. Uma palavra de segurança é qualquer palavra, frase, ou ação que o submisso (a) ou às vezes o Dominador (a) pode proferir ou fazer que faz tudo que está entrando em cena parar ou pausar. Você pode pensar nisto como uma forma mais adulta de chamar “Tio !" Palavra de segurança é um mecanismo cortês para o submisso (a) parar ou interromper uma cena sem dar para o Dominador (a) uma ordem direta e sem ter que dar uma explicação enfadonha em um momento quando as palavras podem não sair facilmente. O acordo de palavra de segurança é levado tão a serio que se um Dominador (a) ignorar ou não cumprir a palavra de segurança é considerado um ato odioso e pouco ético, equivalente a um estupro.


Que palavras de segurança você pode usar e o que elas querem dizer cabe aos parceiros decidir. Palavras de segurança comum incluem uma única palavra "Socorro", "Clemência" e também um par "vermelho" (significando "pare agora completamente a cena !") e "amarelo" (significando "o que você está fazendo não é tão bom e você provavelmente deveria trocar a atividade por outra a menos que você queira que eu diga `Vermelho' daqui a pouco"). Se o submisso (a) não pode falar durante a cena (digo, porque o mesmo pode estar amordaçado), um mecanismo de Palavra de segurança comum é o Dominador (a) dar para o submisso (a) um sino de brinquedo ou bola que o mesmo pode derrubar se houver algum problema. Uma Palavra de segurança para uma cena que envolve luta pode ser dois ou três tapas no chão, semelhante ao usado em lutas de artes marciais. Às vezes pessoas também usam “Palavras de segurança invertidas" : por exemplo, o Dominador (a) põe um dedo na mão do submisso (a) e termina a cena se o mesmo não aperta o dedo prontamente.


A palavra “Não !" também é usado por alguns como uma Palavra de segurança; mas outros acharam que usando a palavra “Não” seria contra produtivo, quando na realidade o submisso (a) realmente que dizer é “Sim, sim !" Não é incomum para um Dominador (a) pausar e perguntar a um submisso (a) que diz “Não”! convincentemente se isso fosse uma Palavra de segurança. Palavras de segurança somente são uma forma de taquigrafia de comunicação. Elas aumentam mas não substituem totalmente a conversa. Dominadores (as) não são telepatas, e pode ser útil para o Dominador (a) saber rapidamente se algo inesperado aconteceu de repente com o submisso (a).


Muitos Dominadores (as) acham que eles podem correr mais riscos e passar mais depressa para um jogo mais excitante com um parceiro novo, quando eles estão confiantes que o submisso (a) vai usar a palavra de segurança se uma emergência inesperada surgir. Nesse sentido, a palavra de segurança é às vezes uma ferramenta de aprendizagem entre parceiros e permite que se descubra o ponto certo onde trabalhar em vez de detalhar em discussões anteriores. Como os parceiros conseguem saber melhor um do outro, o Dominador (a) aprende quais atividades ou intensidades resultam em palavras de segurança e os evitam. Em troca, o submisso (a) aprende a confiar que o Dominador (a) valoriza e respeita as preocupações físicas e emocionais do submisso (a).


Porém, há várias controvérsias que cercam o uso de palavras de segurança em BDSM, a principal reivindicação, veemente ocasional é que existindo uma palavra de segurança, significa deixar o submisso (a) controlar a cena. Obviamente, a habilidade para parar a cena ou impor no Dominador (a) para se checar não é um controle completo. É controle em cima de só um aspecto do jogo, pretendido só para ser usado em uma emergência.


Mesmo assim, se esse tipo de controle faz o jogo menos agradável para você então, palavras de segurança podem não ser o tipo certo de ferramenta ideal para você.


Porém, uma advertência importante para se considerar quando falar a um parceiro previdente é que um Dominador (a) que insiste que um submisso (a) nunca pode usar palavra de segurança poderia ser uma escolha ruim para um submisso (a) novato. BDSM é uma atividade arriscada, e um Dominador (a) que corteja um submisso (a) e se recusa a permitir para o mesmo de qualquer modo, não importa como miserável o submisso (a) seja durante a experiência, pode estar forçando o submisso (a) em uma situação de não consensual. Muitos Dominadores (as) jogam seguramente e bem sem palavras de segurança; mas se um Dom insiste em nenhuma palavra de segurança, é sensato ser extremamente cauteloso.


Às vezes submissos (as) não podem simplesmente usar eles mesmo palavras de segurança. Os mais perturbadores eventos são quando o submisso (a) entra em estado chamado retrospectivo (recordações muito realistas súbitas de experiências de vida muito traumáticas, como estupro, incesto, ou assaltos), ou partindo (estados que estão tão distantes e carentes que o submisso (a) não responde ao Dominador (a) e parece estar em outro mundo).


Nem todos os retrospectos ou períodos de ida são experiências infelizes para os submissos (as) -- alguns apontam para tais ocorrências que gostariam que tivessem acontecido.


Porém, circunstâncias indesejáveis acontecem, e desde que o submisso (a) não pode sinalizar o problema, a responsabilidade cai freqüentemente no Dominador (a). Dominadores (as) aprendem a ir lentamente quando estão com um parceiro novo para que o submisso (a) não seja levado para um estado que é ruim e do qual não consegue usar palavras de segurança ou outro sinal de que as coisas foram muito longe.


Provavelmente a razão mais comum que os submissos (as) vacilam em utilizar uma palavra de segurança é medo de desapontar o Dominador (a) chamando para uma parada súbita a alguma atividade. Este medo é particularmente comum para os novatos. Muitos Dominadores (as) têm assim cuidado para ressegurar a seus submissos (as) que eles querem saber se há um problema sério. Se o submisso (a) faz uso da palavra de segurança, o Dom deve investigar certamente depois por que a palavra de segurança aconteceu. Mas também, é importante para o Dom evitar desencorajar a palavra de segurança mostrando desgosto ou decepção que a atividade ou cena foi reduzida. Desencorajar o uso da palavra de segurança é dobrar o risco do consentimento e arriscar danificar a confiança preciosa do submisso (a). Quer dizer, palavra de seguranças geralmente quer dizer "sem-faltas".


Algumas pessoas podem não usar a palavra de segurança porque eles estão se desafiando para ver o que podem suportar. Obviamente isto é muito arriscado. Dominadores (as) responsáveis que normalmente suspeitam disto trabalham para avaliar as metas do submisso (a) e motivos, e fala francamente de forma que ambos os parceiros entendam as suas responsabilidades se dano emocional ou físico poderá acontecer como resultado. Este tipo de jogo às vezes acontece consensualmente, com ambas às partes concordando com os riscos para ver aonde coisas vão. Às vezes a meta de tal jogo é levar o submisso (a) para o ponto onde ele faz uso da palavra de segurança. Dominadores (as) experimentados podem de fato freqüentemente achar modos para levar alguém com o máximo de relativa segurança, mas fazendo assim sem que ambos os parceiros entendam os riscos é desaconselhado. Para saber mais de como levar um submisso (a) ao limite.


Negociações e Limites:


Pessoas que praticam freqüentemente BDSM se ocupam com negociações prévias e contínuas. "Negociação" aqui não significa pechinchar sobre detalhes do que uma pessoa vai e não fazer, mas ao contrário é um termo que cobre toda a maneira de discussão sobre o que cada parceiro desfrutará ativamente, tolerará, e absolutamente não tolerará.


Atividades que são fora-limites são comumente perguntadas pelo Dom ou são oferecidas pelo submisso (a) antes de jogar. Para um Dom violar os limites declarados de um submisso (a) intencionalmente ou limites não consensuais é pouco ético.


Limites podem ser qualquer coisa que uma pessoa desejar. Um limite surpreendentemente comum é “Sem cócegas !" Outros limites comuns incluem "Sem marcas de sangue", "Nenhum dano permanente", "Nunca me vende", "Nunca me amarre", "Nenhum sexo oral sem um preservativo", "Nenhuma humilhação", "Nenhum sexo com qualquer um não de meu gênero preferido", etc. Limites podem ser tão arbitrários quanto você desejar. Dominadores (as) também têm limites e freqüentemente os declaram durante negociações!


Choque de expectativas não é divertido para ninguém:


Às vezes há mudança de limites quando os parceiros conseguem conhecer um ao outro. Ocasionalmente, o submisso (a) oferece remover um limite simplesmente. Outras vezes o Dominador (a), com o consentimento do submisso (a), leva a um limite aproximando, ameaçando, ou convencendo a aceitar isto em uma cena, apenas por um momento. Levar a um limite ou jogar perto de um limite são chamados jogo de extremidade.


Jogo de extremidade não é a mesma coisa que jogo pesado. O termo "jogo pesado" geralmente se refere a jogar com o que é considerado relativamente arriscado por jogadores experientes. Embora o que constitui jogo pesado varia de comunidade a comunidade, muitas pessoas experientes em BDSM gostam de classificar o jogo de sangue como um exemplo de jogo pesado, fazer cócegas, ou chicotadas a ponto de fazer vergões, contusões, e cortes como jogo pesado. Se fizer cócegas é limite para você, então o jogo que limita o fazer cócegas é por definição jogo de extremidade se não seria considerado jogo pesado para estranhos. Mas também, a maioria das pessoas concorda que levar para as extremidades da pessoa é jogo pesado, o aspecto levar um jogo também poderia ser chamado pesado.


Contratos:


Alguns fazem contratos verbais ou escritos a partir de seus acordos. (Nos casos onde o submisso (a) é um escravo, o contrato é chamado às vezes de"contrato de escravo.'') Não é bem claro como tais contratos que funcionam sob a lei. Nos Estados Unidos, varia a lei de cada Estado, fazendo isto mais difícil até mesmo para parceiros que sabem exatamente todos os aspectos de seus contratos. Não obstante, violar um contrato escrito é costumeiramente considerado um bom motivo para uma que sociedade se dissolva, embora esteja ou não valendo legalmente. No caso de muitos contratos de escravos/submissos onde estão envolvidos sentimentos, existe uma sensação de impossibilidade de sair do contrato a menos que o Dom deseje libertar o submisso, é considerado inaceitável para o escravo/submisso deixar a relação a menos que o Dom viole o contrato. Realisticamente, entretanto, o escravo/submisso pode sair da relação e recuar. O sistema legal provavelmente não honrará um contrato tão restritivo. A menos que o nome desse contrato seja "casamento".


Contratos podem conter quaisquer declarações muito inspiradoras de amor e intenção, ou mesmas declarações malucas do que cada parceiro se compromete a fazer. A maioria dos parceiros que estão inspirados pelo conceito de contratos escritos se aproximam de si próprios, mas há vários modelos que flutuam por aí, notavelmente o de Sacher-Masoch (de quem deriva o termo “masochism’’), como também versões que circularam como exemplos escritos por pessoas orgulhosas que trabalharam pessoalmente neles”. A maioria dos contratos que têm êxito parece necessitar uma reavaliação periódica, digamos, em alguns meses ou uma vez por ano.

4)- Aspectos mais pesados



A Atração pela Escuridão


Uma das coisas que freqüentemente geram atrações ao BDSM é a íntima aproximação que se faz aos aspectos mais sombrios de vida. Enquanto os adultos maduros sabem distinguir entre fantasia e realidade, as pessoas são levadas contudo a contemplar o que elas também temem e menosprezam na realidade.


O sucesso de filmes, romances e jornais que descrevem freqüentemente de forma explícita estupros, raptos, surras e violência são só a ponta do iceberg. É difícil encontrar uma pessoa adulta que não tenha, em algum ponto de suas fantasias, lendo ou vivenciando, que não tenha ficado intrigado com algum aspecto extremo. Torturas, calabouços, dor, pessoas inocentes que são levadas aos extremos do emocional e físico por maldade ou injustiça, o desafio da sobrevivência, raiva, capturas, estupros, pilhagens, sangue, armas, e assassinato exercem uma atração fascinante às pessoas. É um fato.


O BDSM oferece uma estrutura segura, consensual e controlada na qual Dominadores (as) e submissos (as) podem igualmente e freqüentemente falar, explorar, e experimentar aos poucos uma aproximação para estas fantasias sombrias. Pode até entusiasmar, mas tal jogo mais pesado não é para todo o mundo, muito dos praticantes do BDSM atualmente tiram alguns de seus elementos da fascinação pela escuridão. A faixa a ser explorada é muito grande. Tem que ser altamente costurado entre indivíduos que, idealmente e constantemente reavaliam o consentimento e se preocupam um com o outro.


A magnitude da comunicação e negociação prévia que tipicamente ocorre antes das pessoas jogarem, que eu descreverei nesta seção não pode ser menosprezada. As pessoas que eu conheço que jogam dessa forma, fazem com a consciência e temor inspirado pela extremidade dos riscos que eles estão correndo com respeito as suas vidas emocionais e o bem-estar físico. Mais importante de tudo, eles sabem que não podem conhecer todas as coisas que podem sair erradas. Responsabilidade para consigo e para com o parceiro é a essência deste tipo de jogo.


Pessoas sensatas não jogam desta forma sem discutir os possíveis resultados negativos. Isto inclui repartir a responsabilidade para lidar com repercussões de longo prazo e recuperações em situações extremas. O fracasso em discutir as expectativas com antecedência sobre os cuidados posteriores pode levar o Dominador (a) a sentir-se preso ao sentimento de prover apoio emocional infinito ou o submisso (a) sentir-se emocionalmente abandonado.


Se você for um principiante, as idéias nesta seção não são tipos de jogos que são recomendadas para você. Eu não vou esconder os riscos e também não vou me furtar dizendo que tais tipos de jogos sujos e pesados não existem. E depois, se isso te atrair, você poderá encontrar um modo de trabalhar estes métodos com seu parceiro. E melhor que você saiba que existem problemas -- e também compensações. Outros já encontraram o que eles achavam que você deveria saber e se preocupar, você não tem que reinventar a roda.


Inconsensualidade consensual
Inconsensualidade consensual (às vezes chamado de metaconsentimento) refere-se a um jogo em que o submisso (a) dá consentimento explícito com antecedência para ser violado o consentimento na hora de jogo. Quando o jogo acontecer, o Dominador (a) pode fazer uso desse expediente. Se o Dominador (a) acredita que coisas vão de acordo com o planejado, então não importa o que o submisso (a) diga ou faça, e o jogo continua. Se coisas saem errado ou o Dominador (a) julgou mal, os parceiros vão trabalhar nisto depois. Se foi uma grande experiência para o submisso (a), excelente ! Se foi uma experiência horrível, talvez a pior coisa da vida do submisso (a), então os parceiros têm que renegociar depois. No mais comum meio termo, houve uma experiência de aprendizagem para ambos os parceiros -- alguns aspectos bons, alguns ruins. Os parceiros discutem e apreciam idealmente o que eles fizeram nas suas vidas e o que foi difícil, se eles decidem repetir, melhorar, ou nunca mais fazer novamente.


Algumas vezes, para fazer tais cenas ser possível, o submisso (a) abdica de qualquer direito em usar a palavra de segurança que pode ter sido combinada previamente. Levando em conta este hábito, tais cenas são chamadas às vezes de jogos ou cenas no-safeword (sem palavra de segurança). Não é todo jogo que envolve o não ter direito a palavra de segurança que inclui qualquer tentativa de ir para um terreno ambíguo! A frase hifenizada "jogo sem-palavra-de-segurança" implica inconsensualidade consensual, levando com consentimento prévio para regiões que normalmente não é desejada pelo submisso (a).


Por que alguém faria uma cena com inconsensualidade consensual e arriscar ter uma experiência horrível na hora de jogo e possíveis efeitos negativos em longo prazo? Uma razão, é que às vezes o submisso (a) fica intrigado em fazer alguma atividade que é muito assustador para dar um ok na ocasião, isto acontece. Lembre-se que "jogos extremos" significa jogar perto ou no limite individual de uma pessoa, não importa o quanto arbitrário esse limite possa ser.


Há situações dos jogos que são perto daquela extremidade que o submisso (a) não pode predizer com antecedência ou até mesmo saber na ocasião se a experiência de ir além daquele ponto se mostrará boa ou ruim. Algumas vezes as pessoas preferem experimentar estas coisas a tentar pensar nelas. Às vezes tentando é o único modo de descobrir se algo o levará a uma alegria fabulosa, que você quer, ou ao horror terrível que seu bom senso lhe diz que pode ser. É uma questão a se decidir o quanto de risco quer você quer correr.


Outra razão para as pessoas, às vezes, jogarem além da extremidade do ponto de consentimento é que como são parceiros envolvidos, os indivíduos aprendem mais um sobre o outro. Simultaneamente, a confiança se aprofunda.


Parte dessa confiança às vezes envolve uma compreensão que a outra pessoa apenas poderia saber algo sobre você, que você teme tentar, embora a experiência pudesse mostrar ser algo que você gosta. A possibilidade de superar um medo ou aprender a desfrutar algo novo pode ser muito atraente.


Tem o potencial de ampliar as oportunidades e alegrias você experimenta na vida.


E para algumas pessoas, a essência da atração é justamente que o jogo poderá entrar em algo muito distante, em alguma dimensão e levar o submisso (a) para regiões que estão além da resistência, concepção, autocontrole, escapatória, e do consentimento.


Às vezes a confiança e esperança é injustificada. Deixando o Dominador (a) da pessoa conduzir um além da extremidade que poderá resultar em um fiasco de não só descobrir que esse tipo particular de jogo não era o desejado, mas que a própria relação não é da forma que o submisso (a) pensava. Toda vez que os parceiros exploram a inconsensualidade consensual, relações podem ser destruídas. Esse é um risco. Na prática, com comunicação de qualidade, não é o resultado habitual. Mas pode acontecer.


Outras vezes, mesmo com a confiança garantida a experiência não é somente felicidade, talvez nem mesmo depois do fato. Nesses casos, os parceiros normalmente trabalham duro nos cuidados posteriores e de boa fé trabalham nas coisas depois. E no melhor de mundos, o jogo é fantástico, uma experiência que é uma realização perfeita de um sonho, fantasia, ou algo muito amedrontador para contemplar que se mostra para ser uma experiência maravilhosa.


Pode-se mostrar ser uma abertura sobre si mesmo e o comportamento da pessoa em situações extremas, que mudam ou se expandem para a melhor das possibilidades na vida.


Ninguém pode tomar estas decisões ou pode pesar os benefícios e/ou riscos, somente você.


Cenas de Estupro, Sexo Forçado, Dominação Forçada, e Cenas de Rapto


Um das fantasias mais comuns para as mulheres é alguma idéia de estupro, dominação forçada, ou rapto. Muitos homens experimentam tais fantasias também! Mas nesta seção eu vou enfocar em mulheres como submissas, porque essa fantasia é mais comum entre elas, particularmente no que se relaciona a cenas de estupro.


Um gênero inteiro de novelas românticas é postulado em mulheres relacionado a uma variedade de formas de se ter um pouco de prazer no equilíbrio complexo entre resistir, ser seqüestrada, amarrada, dominada, e então salva ou entregue finalmente para a beneficência ou intenso romantismo de alguém que poderia parecer mau inicialmente.

Piratas, motociclistas, seres superiores de espaço exterior, e todos os tipos de "meninos maus" historicamente geram este tipo de atração, na ficção e na vida real para muitas mulheres. Possivelmente há uma atração genética associada com a força e a violência de ser levada por um líder ou um homem solitário e realizar dominação forçada dessa forma.


Cenas de estupro são cenas. Quer dizer, elas são consensuais, e fundamentalmente assim. Elas não são estupros. Elas são cenas pré-organizadas que imitam ou criam os sentimentos de alguns aspectos do estupro. A extensão do realismo e quais aspectos serão reproduzidos os participantes têm que decidir.


Para a maioria de pessoas que jogam dessa forma , o "estupro" consiste somente em uma sensação de dominação forçada através da pessoa amada. Não há nenhuma percepção de não consensualmente. Tudo pode ser usado, pode ser uma luta na cama, o ato nervoso de prender ou amarrar as mãos da submissa na cama durante o ato sexual, digamos o Dominador (a) está para gozar na boca do , buceta, ou bunda sem necessariamente levar a submissa ao orgasmo na ocasião . Em outros casos, envolve mindfucks. Para muitas pessoas isto pode ser inacreditavelmente quente e pode trazer grande prazer para a submissa (e o Dominador {a}), com orgasmo ou não.


Mas algumas cenas de estupro podem ser e são arranjadas de todas as formas imagináveis. Isto é, se você conhece as pessoas certas em BDSM, e se você confia em seu Dominador (a) para saber se tais pessoas são fidedignas, é possível organizar para pessoas que você não conhece e nunca conhecerá, seqüestrar-la à noite, na rua e cometer o que você acreditará absolutamente na ocasião que é um estupro. Isto é incomum como tudo que vem de fora de uma cena! Não são muitas mulheres que gostariam de qualquer coisa nesse extremo. Mas é possível e às vezes desejável.


Sexo seguro pode ser negociado como parte disto; mindfucks ou ilusões de coisas que acontecem, que não acontecem, pode ser negociado como um jogo limpo; ser informado na ocasião ou depois pode ser negociado.


Qualquer coisa que a submissa ou Dominador (a) precise para sentir-se confortável tem que ser trabalhado fora da cena. Inclusive o elemento surpresa: Um método comum de manipular a surpresa é o Dominador (a) escutar e não fazer nenhuma promessa, e então não fala coisa nenhuma sobre a cena durante seis meses ou um ano. É o que você quer? Para muitas pessoas isso é ir muito longe. Para outras, seria um sonho que se torna realidade.


O equilíbrio entre a percepção e o temor que a atividade poderia ser "real" ao invés de uma "cena" é complexo e os indivíduos têm que trabalhar nisso fora da cena. Uma variante é seu amante “forçar” um ato sexual com você. Você sabe desde o princípio que é apenas uma cena. Outra forma é onde você realmente não tem nenhuma idéia que era algo organizado por seu Dominador (a); você acredita na hora que é um estupro real, com todos os horrores de concomitantes de agressão, violação, e medo. Posteriormente é desenvolvida uma cena de estupro. A maioria das pessoas que brincam com o conceito de cenas de estupro desejam algo intermediário.


Eu chamo de meio sexo forçado por falta de um termo melhor. A maioria das mulheres quer saber quem está cometendo atos sexuais nelas, até mesmo se há alguma implicação de violência ou força. Elas querem saber imediatamente ou muito rapidamente se é uma cena e não um estupro real. Elas desejam ter tido algum tipo de discussão prévia ou acordo que deixam seus parceiros saberem quais sentimentos e ações estão dentro de limites razoáveis.


Comumente, embora não sempre, elas querem que o perpetrador seja somente o parceiro delas. É uma coisa para seu amado, prende-la embaixo quando você está lutando ou gritando "Pare" e para ele forçar seu pênis em sua boca tão duro que você não pode nem respirar. Uma coisa é ficar apavorada com o papel violento de alguém que acha que ama e confia, é algo que você nunca conheceu antes. Mas é totalmente diferente se um estranho aparecer de repente em seu quarto e fizer a mesma coisa.


Para um Dominador (a) assumir o que uma submissa deseja quando for jogar com cenas de estupro, rapto, ou dominação forçada é um erro incrível. Não apenas os Dominadores (as) (especialmente homens Dominadores relacionando-se com mulheres submissas) correm o risco de uma acusação legal de estupro, mas eles arriscam tendo que viver o resto das suas vidas com o seu erro de julgamento se eles estragarem o que simplesmente poderia ter sido claramente perguntando.


Eu não conheço ninguém, Dominador (a) ou submissa, que facilmente trilha nas extremidades deste tipo de jogo. Isso não significa que as pessoas julguem mal constantemente ou ultrapassem as linhas, é claro. Apenas não deixe ser você! Fale explicitamente e especificamente a seu parceiro se este é o tipo de jogo que você pensa que está avançando lentamente ou insinuando. Boas cenas de estupro -- e eu conheço algumas excelentes ! -- normalmente são negociadas cuidadosamente. Se você está sonhando com tal uma cena, Dominador (a) ou submissa, não é algo que execute sem muita discussão prévia. Há muitas variações do que são as cenas de estupro. O que você pode pensar que é realmente quente pode não ser exatamente visão de seu parceiro. Descubra com antecedência, não durante ou depois.


Morte e BDSM


Vamos ser diretos : Pessoas que fazem BDSM não aspiram cenas em que o submisso (a) é morto inconsensualmente no final. Isto é apenas material de fantasias e filmes de pornografia. Não é consensual, isso não é "não consensualmente consensual", e isso não é BDSM.


Embora possa ser "quente ou excitante" pensar sobre isso, existe uma grande diferença entre pensar e fazer.


Em geral, se um submisso (a) está pedindo realmente para ser morto no contexto de uma cena é improvável que seja um aviso de suicídio. É uma coisa para se fantasiar.


Porém, há várias formas em que as pessoas fantasiam tais coisas, e se aproxima da realidade. O mais comum é através de mindfuck. Se um submisso (a) quer a experiência de acreditar que poderia morrer em cena sem arriscar morrer de fato, muitos Dominadores (as) criativos podem trabalhar formas de realizar esta ilusão. Tipos mais pesados de jogo onde há algum risco conhecido do submisso (a) de fato morrer -- embora morrer de fato não seja a meta do jogo -- também ocorre.


Desejar saber o que se sente quando se enfrenta a cara da morte ou enfrentar o medo da morte às vezes é citado como argumentos pelas pessoas que praticam tais jogos.


Em alguns casos, também, a atividade em si pode ser erótica para o submisso (a). Controle de respiração é um tipo de jogo que parece possuir esse tipo de atração.


Outra forma ocasional no qual a possibilidade de morte em cena é às vezes considerada, é com respeito à própria morte de uma pessoa com uma doença terminal e dolorosa. Se sim ou não eu lembro a moralidade de tal ação, a discussão de eutanásia não é diferente em BDSM. Da mesma maneira que a maioria dos baunilhas não conseguem viver com facilidade depois de fazer tal coisa para a pessoa amada, a maioria dos Dominadores (as) também não conseguem viver tranqüilamente depois de fazer tal coisa. Até mesmo na mais humanitária das circunstâncias, matar a pessoa amada é um fardo emocional para o sobrevivente, para não mencionar os assuntos legais que podem ser acarretados. Não obstante, para esses que não são incomodados com a eutanásia e fazem BDSM, o conceito de combinar os dois às vezes é discutido.


Há muitas outras variações de como fantasiar sobre a possibilidade de morte em cena. A percepção de adorar o Dom amado a ponto de estar disposto a morrer se o Dominador (a) for embora é muito comum. A maioria dos submissos (as) que fantasiam tais coisas sensivelmente racionaliza o enigma sabendo que seu Dominador (a) nunca faria tal coisa -- eles sabem que são amados, e eles estão oferecendo confiança extrema em retorno. Prova de amor inflexível e devoção seguramente é o ponto crucial destas fantasias. Pode haver uma base genética para o desejo de humanos estarem dispostos a morrer por alguém que amam.


Esses orgasmos às vezes são descritos como “pequenas mortes” estão provavelmente relacionados ao impulso de procriar, talvez até mesmo o risco da própria morte, está provavelmente profundamente enraizado em todas as espécies e provavelmente tem ligações com as formas complexas que o ser humano percebe o amor.


Nem não é incomum para Dominador (a) fantasiar " cenas morte " ou cenas que envolvem torturas extremas que não aconteceriam de fato nos seus amantes. Dominadores (as) e submissos (as) agonizam sobre os significados de tais fantasias sombrias que podem confundir e aborrecer. Por que uma pessoa seria levada a matar ou torturar, mesmo em raras ocasiões ? Por que uma pessoa seria levada a ficar às portas da morte ou estrangular olho-no-olho a pessoa amada ? O mais perturbador ainda é o fato que a maioria dos adultos não faz mal a ninguém no cotidiano de suas vidas durante anos.


Quaisquer que sejam as respostas mais profundas, há uma grande diferença entre fantasia e realidade. Embora o BDSM permita que muitas pessoas procurem aspectos de fantasia para viverem mais profundamente que sexo de baunilha, não significa a pessoa agir como se existisse um "blanche de cardápio". A maioria das pessoas usa a ética, moral, e segurança antes de ordenar a mais horrorosa de suas fantasias. Matar o submisso (a) é no final das contas improdutivo!


Dominadores (as) e raiva em cena


É um aviso comum para Dominadores (as) que fazem BDSM para nunca jogar com raiva. Ser um Dominador (a) significa primeiro ter responsabilidade para mostrar autocontrole. Jogar com raiva em vez de acalmar, corre-se o risco de algum dano irresponsável. A parte do risco de danificar fisicamente o submisso (a), se a pessoa perder o controle em cena, também há o risco de dano emocional ao submisso (a) e para toda a relação. Submissos (as) lidam com muito stress emocional na cena sem contar o pânico de seu par estar profundamente irritado, já não sente amor, ou está descontrolado. E o mais importante de tudo, a raiva deveria conduzir para o racional, uma boa conversa entre adultos e comunicação sobre as razões para a raiva, uma oportunidade para ambas as partes para falar francamente e em autodefesa, tomar decisões maduras sobre o que fazer para evitar os problemas ou enganos futuros. Para o Dominador (a) evitar uma conversa madura e agir ao contrário em um momento de fúria descontrolada é no mínimo uma irresponsabilidade.


Mas sempre há mas em BDSM apesar de todas estas precauções, há casos onde Dominadores (as) jogam com raiva e podem na realidade não estar abdicando das suas responsabilidades. Em algumas relações, para o Dominador (a) agir com raiva é consensual. O correto seria os parceiros discutirem isto com antecedência. Idealmente, o Dominador (a) nunca perde de fato o autocontrole a ponto de prejudicar o submisso (a). Normalmente, os parceiros se comunicam e falam como adultos sobre o que aconteceu entre eles além das ações durante qualquer cena. Inquestionavelmente, é uma forma extremamente arriscada de compor uma relação, muito menos jogar. Não é para todo mundo.


Por que poder jogar com raiva é uma forma aceitável de jogo para parceiros concordarem ? Jogar com raiva pode ser catártico para os parceiros ou podem servir como um ato de penitência para o submisso (a). Alternativamente, jogar com raiva pode ser diretamente erótico. Ainda há outra possibilidade que é a compaixão do submisso (a) para as tensões temporárias da vida de um Dominador (a), às vezes pode significar que o submisso (a) está dando algum espaço para o Dominador (a) se livrar das agressões, porque não há nenhuma violação extrema envolvida. (Presumivelmente no último caso o submisso (a) tem a sensação e habilidade para levar a linha de vantagem de objeto pegado de Dominador (a) desta compaixão habitualmente).


Mas presentes ocasionais e sacrifícios por amantes para os seus parceiros em circunstâncias extremas, porém difícil estas ocasiões podem ser avaliar, necessariamente não é sinal de abuso ou auto-abuso. Isto não significa que a pessoa deva estar desatenta ao considerar as possibilidades.)


Qualquer que seja os prós e contras, às vezes é parte do acordo que o submisso (a) confie no Dom o bastante para permitir a expressão de até mesmo raiva extrema em cima de algum assunto da vida real em cena. Em assuntos pessoais complexos, relações amorosas, jogando ou não jogando às vezes se misturam.


Depêndencia emocional e financeira.


Degradação emocional e Sujeição Emocional:


Degradação emocional é uma forma de SM emocional isso vai além de embaraço ou humilhação, está mais para despojar o submisso (a) da auto-estima ou recursos internos. Para muitas pessoas serem envergonhadas, humilhadas, ou até mesmo degradadas pode ser muito erótico e sensual. Até onde ir, e como estar seguro que a perda da auto-estima sob controle, não penetra nos aspectos de vida onde não é, pode ser muito difícil de avaliar.

As formas mais pesadas e mais arriscadas deste tipo de jogo expõem questionamentos que podem potencialmente danificar alguém no auto-respeito, tanto dentro como fora de cena. Enquanto muitos homens acham excitante que seja falado que seus pênis são pequenos e insatisfatórios dentro de uma cena, e que muitas mulheres e homens semelhantemente acham muito estimulante escutar que são sujos e repugnantes, ou muito feios para se desejar, potencialmente isso poderia danificar negativamente a sua auto-imagem. Dizer para alguém que ele é estúpido, inútil, ou indesejável pode ser em algumas ocasiões excitante, mas pode ser um risco muito grande se for repetido diariamente. É de responsabilidade dos parceiros considerar os assuntos de auto-estima a longo prazo envolvidos e estar seguro que este tipo de jogo não leva a áreas não consensuais , mesmo sem querer, com o passar do tempo para os parceiros.


Mais que a maioria dos tipos de jogos arriscados, degradação emocional parece arriscar uma relação cruzando a linha do abuso. Se a um submisso (a) é constantemente dito que ele ou ela é inútil ou está sujeito a todo tipo de capricho do Dom , sempre é dito para ficar em casa e que fazer tarefas humilhantes são as únicas coisas que são boas para ele, destituído de um trabalho externo, escola, ou os amigos independentes, e fazer ele dependente financeiramente e emocionalmente do Dom para qualquer tipo de apoio ou aprovação, como os parceiros sabem se o consentimento ainda está sendo dado de livre arbítrio ? Embora tal modelo de sujeição miserável e dependência extrema ao Dom esteja atraindo muitas pessoas, Dominador (a) e submisso (a) igualmente, há um risco de a longo prazo se envolverem em uma armadilha. Tais relações podem começar de forma livre e consentida, mas existe o risco a longo prazo de um dano emocional como também a perda de oportunidades da vida.


Nem todas as tais relações chegam a tal ponto triste ! Mas não pensar com antecedência e periodicamente nos riscos e reavaliar a situação é burrice.


Chantagem e Sujeição Financeira:


Algumas pessoas fantasiam em serem chantageadas. Afinal de contas, chantagem é uma forma de controle. Entretanto esta é uma forma extrema de jogo que raramente é falado sobre isso em público, isso também pode acontecer consensualmente. Em uma variante, o submisso (a) dá o controle ao Dominador (a) consensualmente sobre todos os recursos financeiros como as contas bancárias. Se o submisso (a) não faz o que o Dominador (a) está mandando ou não mantém qualquer acordo que foi feito, o Dominador (a) toma os recursos ou reduz a parte do submisso (a). Em outra variante, o Dominador (a) investiga a vida do submisso (a) e ameaça revelar detalhes inaceitáveis a família ou um empregador a menos que pagamento ou comportamento condescendente sejam vindouros. Obviamente, quantias menores de recursos causam menos riscos.


Mas a maioria das vezes que eu ouvi falar deste tipo de jogo, envolve somas incrivelmente grandes, até mesmo as poupanças inteiras de uma pessoa.


Claramente neste tipo de jogo há o risco do Dominador (a) não devolver os recursos ou usar de forma inapropriada. Disputas, particularmente entre amantes solteiros, podem ser difíceis de solucionar. Sob as costumes sociais convencionais, muitos duvidariam que qualquer um possa dar consentimento completamente informado a algo tão extremo. Mas é um fato que as pessoas jogam desta forma.


Formas bem sucedidas deste jogo são às vezes vincular metas específicas para o submisso (a), como estudar mais duro na escola, perder peso, parar de fumar, ou metas mais frívolas como o submisso (a) aprender a ajoelhar-se toda noite antes ir para a cama. A realidade palpável de perder dinheiro na verdade pode ser motivadora e também altamente erótica.

Completa dependência financeira ou vulnerabilidade também podem ser uma forma de controle erótico.


Há vários exemplos de pessoas que perdem muito dinheiro desta forma. Você é muito tolo se pensa que não pode acontecer possivelmente com você porque seu Dom nunca faria isso com você ou porque você nunca terá uma disputa com seu parceiro. A pessoa com a que você negociou pode ser completamente séria quando tem ameaças financeiras envolvidas em quaisquer acordos contratuais que você aceite. De fato, para muitos, a atração deste tipo de jogo está inerentemente entrelaçada com a maldade, seriedade, ou imprevisibilidade do Dominador (a). Por outro lado, há as pessoas em relações de longo prazo cuja sujeição ou risco se faz consensualmente e eroticamente e envolve entregar as rédeas financeiras do casal. Afinal de contas, muitos matrimônios tradicionais por todo mundo envolvem arranjos semelhantes, com a mulher não tendo nenhum recurso independente. Tais arranjos, entretanto podem não atrair às feministas, mas não impedem a felicidade ou o amor em suas vidas.


Dom pode acabar abusando de seu subs, se as negociações não forem claras e mutuamente aceitáveis. Para um Dominador (a) prover apoio financeiro a um submisso (a) sem que nada proporcional seja concedido em retorno é improvável e insustentável em uma relação de longo prazo.


Se você está considerando tal forma extrema de jogo, faz sentido considerar que um bom advogado revisasse cuidadosamente qualquer contrato que você assine. Você também deveria considerar a situação que a longo prazo você poderá estar pondo você ou seus dependentes em dificuldades no caso de uma relação ou contrato quebrado.


6)- Aprenda um pouco sobre Bondage:



Levando-se em consideração, que em sua essência o Bondage é não ter opções numa condição consensual de limitação física da ação(com jogos e técnicas de amarração por cordas, visando imobilização) usada não para dominar a relutância, mas para incrementar o orgasmo através da escravidão, inter-dependência e submissão numa experiência sensual e sexual de cativeiro seguro, o Bondage é uma experiência que visa aumentar as sensações sexuais. Em parte porque é uma expressão inofensiva da agressividade sexual(algo de que necessitamos imensamente, devido aos preconceitos da nossa cultura neste campo) mas, também, por causa dos seus efeitos físicos.


Um orgasmo lento em situação de imobilidade forçada é uma experiência inesquecível para aqueles que o tentam sem medo agressividade alheia. "Qualquer imposição à atividade muscular e emocional tende normalmente a aumentar o estado de excitação sexual", nas palavras de Havelock Ellis. As pessoas em geral, sempre se excitaram com a idéia de obter o máximo de prazer sexual uns dos outros e a "imobilização erótica" foi sempre um excitante apreciado.


Qualquer herói ou heroína popular que se preze são amarrados periodicamente pelos pés e mãos, a fim de poderem ser posteriormente salvos. Fantasias deste tipo são muito frequentes na cinematografia mundial (na sua maior parte são absolutamente impraticáveis e dirigidas à retina e não à inteligência do espectador) e agem como uma válvula de escape para aquelas pessoas que têm problemas de agressividade ou precisam de um simulacro de violação para poderem ir para a cama e ter prazer sem sentir culpa. A maioria das pessoas tem vestígios destas necessidades e gostam de dominar simbolicamente umas as outras de vez em quando, ou até de se sentir dominadas.


Mas os jogos de imobilização, também são praticados por muitos amantes sérios que desejam descobrir novas sensações e/ou aumentar seu prazer sexual, preenchendo assim muitas lacunas importantes de sua sexualidade. Isto exige uma certa aprendizagem (os primeiros esforços frequentemente são penosos ou estéreis ou até inutilizam uma ereção por falta de jeito), mas com rapidez e habilidade, muitas pessoas, surpreendentemente, descobrem-se Tops natos. Outros recomendam o Bondage apenas como um jogo sexual para ser praticado ocasionalmente(se não por outras razões, pelo menos para uma masturbação, partilhada à dois, lenta e realmente bem executada).


Com efeito, uma imobilização verdadeiramente hábil produz resultados sensacionais. Do ponto de vista sexual, na maior parte dos homens(que não sejam tímidos) quer dando, quer recebendo, como aliás, qualquer outra técnica que envolva estímulo e simbolismo do "prisioneiro-sexual", que se bem amarrado não só parece, mas também se sente muito sexy.


As pessoas que potencialmente poderiam reagir bem a este método podem necessitar de uma preparação cuidadosa, no caso de recearem o seu simbolismo "agressivo", mas este tipo de fantasia apenas atemoriza as pessoas cuja concepção de ternura é... romântica demais. Alguns homens, devido ao seu papel social de dominador-ativo(pelo menos a maior parte do tempo) de vez em quando precisam se sentir dominados. Outros gostam dos símbolos de domínio e preferem ser agressivos desde o início.


Quando amarramos o parceiro pelos pés e pelas mãos, firme, mas confortavelmente, de modo que ele possa se mexer tanto quanto quiser sem se soltar e, depois, levá-lo ao orgasmo, isso gera uma sensação agradável, recompensadora e de extrema segurança, além de ser uma sensação sexual excitante, permite que muitas pessoas (que não o conseguem chegar ao orgasmo de maneira convencional) o atinjam de forma total. Pode ser que berrem no momento crítico, mas certamente vão gostar muito. A habilidade, aqui, reside em distinguir os ruídos que exprimem mal-estar, dos pulsos torcidos, cãibras ou outras dores, das manifestações normais do êxtase; os primeiros significam "Pare já" e os outros "Continue, pelo amor de Deus, e faça-me acabar".

Jogos deste tipo podem ser um "extra"... um "plus"... a mais adicionado a todas as formas de atividade sexual e de coito convencionais, já que o amante amarrado pode ser beijado, masturbado, montado ou simplesmente acariciado até o orgasmo. Mas são muito adequados as sensações intensas e quase insuportáveis produzidas pelas carícias manuais lentas e hábeis, tanto no homem bottom quanto no Top. A prisão dá ao amante passivo(bottom) algo de muscular para fazer, enquanto fica incapaz de alterar o curso dos acontecimentos ou o ritmo e velocidade da estimulação (a que Theodor Reik chamava o "fator de suspense") e permite ao amante ativo (Top) levar seu companheiro, à "alturas estonteantes" (e no caso da inversão de papéis, este pode enlouquecer o outro, demorando ainda mais o processo).


Os amantes experimentados e audaciosos descobrirão logo o contexto adequado à imobilização. Este surge naturalmente num tipo de "batalhas amorosas" tão ao gosto de certas pessoas mais dinâmicas, em que o bottom finge resistência para obter, uma torção de braço, aumentando assim o ritmo do jogo, e depois continuar a ser dominado, mas também se pode fazê-lo com menos violência e sortear para ver quem será o primeiro a ser amarrado.


Outro contexto, para os que fazem jogos sexuais de adultos, é simplesmente determinado pelo impulso. Um ou outro pede ou diz: "agora é a minha vez", ou o parceiro de espírito mais empreendedor começa e realiza as suas aspirações. Pode ser que ele acorde e descubra que o outro virou o jogo e que agora, está acabando de lhe amarrar os pulsos; então já é tarde demais para protestar, o melhor a fazer é experimentar, até mesmo para adquirir experiência e saber como incrementar ainda mais a relação, colocando-se no lugar do parceiro bottom na próxima vez que você for o Top. Para que isto funcione como jogo, é evidente que deve ser feito de maneira não dolorosa ou perigosa. Além de tudo isto, qualquer tipo de crueldade como amarrar alguém que tenha medo real de ser amarrado, cordas extremamente apertadas, meter coisas pela boca das pessoas , truques idiotas como pendurar alguém por qualquer parte do corpo são práticas simplesmente cruéis, dolorosas e inibidoras para quaisquer parceiros sérios. Isso é um ato de psicopatologia e não de uma prática sexual sadia. A imobilização como jogo sexual agradável nunca é dolorosa nem perigosa. Pode, claro, ser praticada apenas pela sua agressividade simbólica, mas pelo menos metade da recompensa é diretamente física. A maioria esmagadora das pessoas que a praticam (e há muitas) gosta de ser amarradas para ter de lutar contra a prisão e também pelas sensações epidérmicas e musculares, além da liberação de certos bloqueios infantis e pelo fato de terem prazer de qualquer maneira. Também ajuda na superação do nosso tabu cultural referente as sensações extragenitais intensas, que pertence ao mesmo tipo de bloqueios. Mas se tiverem cuidado, as marcas das cordas desaparecem em poucas horas.


Algumas pessoas mais enérgicas gostam também de ser amordaçadas. Como alguns dissem, "mantém o gás do champanhe". Amordaçar e ser amordaçado excita muitos homens. A maioria diz que não gosta, mas a expressão de espanto erótico na cara de um homem bem amordaçado, quando descobre que só pode gemer, é irresistível para os instintos de violação de outro homem. Além do simbolismo e da "sensação de desamparo", permite à vítima gritar e morder durante o orgasmo, sem se preocupar em se controlar, o que só poderia fazer sem a mordaça se possuísse uma cabana isolada ou dispusesse de um quarto à prova de som. A maior parte dos homens que se excitam com isto gostam de ser completamente silenciados. Alguns outros gostam que seus olhos sejam vendados além de, ou em vez, de serem amordaçadas.


Mas é difícil amordaçar alguém com uma segurança de cem por cento, exceto nos filmes em que um pedacinho de pano sobre a boca da heroína permite que o herói passe a seu lado, sem ouvi-la. Também o "prisioneiro" nunca deve ficar em situação de não poder indicar que algo de errado esteja acontecendo. Um pedaço de pano comprido, que dê várias voltas, quando bem colocado entre os dentes, ou uma bolinha de borracha fixada no meio de uma fita de três centímetros de largura por um parafuso e porca (a "poire" tradicional dos bordéis franceses) são suficientes. A fita adesiva silencia quem quer que seja, mas é dificílima de tirar. Tudo o que se usar deve ser firme, mas não pode e não deve interferir com a respiração, também deve ser fácil de tirar se alguma coisa der errado para o "prisioneiro": se ele sufocar, por exemplo, ou se sentir mal, ou ainda, qualquer outra situação de desconforto, lhe será difícil ou impossível expressar o que estiver ocorrendo. Os sinais (isto se aplica a todos os jogos de imobilização) devem ser combinados de antemão e nunca se deve abusar deles ou ignorá-los, sob a sanção, do seu uso ilícito, pode-se por exemplo, ter que "sofrer" mais dois orgasmos amarrado. Um grunhido em código Morse ou sinais como os usados em leilões são boas escolhas.


Técnicas Utilizadas


Vale a pena gastar mais algumas palavras com a técnica a ser empregada, visto se tratar de uma fantasia sexual muito popular, ainda que não incluída nos livros puritanos sobre sexo; uma certa habilidade e cuidado são necessários. Amarra-se um dos parceiros em qualquer cama com quatro colunas, pondo-se uma ou mais almofadas por baixo dele(este o método típico dos bordéis, talvez porque não requeira habilidade). Levado a este ponto, inibe os orgasmos de algumas pessoas, outras preferem ficar com as pernas abertas, mas com os pulsos e cotovelos atrás das costas, ou ser amarradas a uma cadeira ou ficar de pé amarradas a uma coluna. As áreas chave em que a prisão aumenta a sensibilidade sexual são os pulsos, tornozelos (não tentem encostá-los atrás das costas à força), sola dos pés, polegares e dedos dos pés (alguns Tops mais experientes param no meio das carícias e amarram estes dois últimos com uma tira de couro). Há divergências de gosto quanto ao que se deve usar para amarrar. Pondo de lado esquisitices como camisas-de-força ou ligas de escoteiro, há parceiros que usam tiras de couro ou borracha, faixas de pano, cordões de pijama, laços e até corda macia e grossa. As fitas adesivas também são ótimas para a imobilização, mas se prestam mais à imobilização em larga escala, como no caso da Mumificação, mas têm o inconveniente de arrancar os pêlos na hora de soltar o prisioneiro, principalmente se o mesmo for muito peludo. O principal é que o bottom esteja totalmente imobilizado, isso é o que torna o "embrulho" atraente para o participante ativo. Meias, são um recurso comum, mas servem mais numa emergência, pois é difícil desamarrá-las. Correntes, algemas, etc são meios rápidos, mas não exercem pressão e machucam quando ficam por baixo do peso do corpo. Além do mais, uma das partes mais excitantes do Bondage é o "ritual" de amarrar o parceiro com vários tipos de nós diferentes, criando desenhos e mosaicos intrincados com as cordas. Mas, se você é daqueles, que como eu, preferem ir direto ao assunto abuse das algemas, correntes e cadeados. No mercado há aparelhos estranhos sendo vendidos pelos fabricantes de "brinquedos para adultos", na verdade, são coisas "para inglês ver", a não ser que só sejam utilizados para fotografias. Para a maior parte dos adeptos do BD, um pedaço de corda de varal(nunca use corda de nylon, prefira sempre cordas macias de algodão) serve perfeitamente. Corte-a em cinco ou seis pedaços de um metro e vinte, e em mais dois ou três de um metro e oitenta e dêem-lhe várias voltas apertadas, mas sempre tomando o cuidado para não machucar.


Queimaduras e hematomas provocados por cordas são consequência de falta de jeito. Deve-se também ser rápido ao tirar as cordas de modo que a pessoa não fique tolhida por ter continuado "preso" depois do orgasmo e possa "voltar à terra" confortavelmente. Você pode ser agradável, adequado e simbolicamente impetuoso, sem se tornar mau nem desajeitado, estragando tudo. A receita certa, aqui como em toda a atividade sexual, é violência e ternura em proporções iguais. Se não se consegue "sentir" a medida exata de violência que o amante aprecia, é preciso lhe perguntar e tirar vinte por cento, desconto justificado pela diferença entre realidade e fantasia. Qualquer casal homossexual que aprecie o amor violento e goste desta idéia, desde que siga as regras, não perderá nada em aprender a executar a técnica de imobilização suave, rápida e eficientemente. Isto não é esquisito nem assustador, é apenas humano.


7)- Aprenda um pouco sobre shibari:

Temos duas variantes.



Exponho-as:


1)- Uma arte milenar praticada pelos senhores Samurais tanto para aprisionar seus inimigos quanto para ter prazer com suas presas e hoje é usada por adeptos do BDSM como uma forma de imobilizar, desenhar o corpo do outro com cordas ou, somente, praticar suas habilidades naquele que o pertence em sessão.


2)- Uma variação de Bondage que caracteriza-se por utilizar a corda para fazer desenhos no corpo da (o) escrava (o). Podendo ou não haver a imobilização.


É uma verdadeira arte, aprendida com muito estudo, dedicação, prática e criatividade.


Não posso deixar de lembrar a importância da segurança ao executá-lo, pois, como em qualquer bondage há que se pensar em cuidados relativos à circulação sanguínea, à corda ideal para o que pretende, à postura do escravo em relação à sua coluna, ou seja, como em tudo dentro do BDSM, o conhecimento é fundamental.


Creio ser relevante relatar que, no Oriente antigo, o Shibari fôra criado por Samurais com o intuito de aprisionar seus inimigos e adornar suas esposas. Cada desenho elaborado com as cordas leva nomes e finalidades específicas.


É possivel fazer calcinha, sutien e mesmo outras peças de vestuário usando somente cordas. No Shibari aquela que recebe as cordas é chamada de Dorei e não de escravo ou submisso e a função de Dorei é comumente exercida por mulheres.


Outro dado interessante é que, mesmo nos dias de hoje, no Japão, nem sempre faz-se o Shibari em um corpo nu. Muitos são os "Mestres Shi" (nome comum a um Mestre Shibari) que alegam que a sua Dorei não tem pureza de corpo para receber, em sua pele, algo tão magnífico como a corda.


8)- Saiba um pouco sobre spanking:

O termo açoitar, quer dizer: bater em alguém, algum animal, ou algum ser vivo, com um chicote, uma chibata, uma vara (cane), etc... ou qualquer outra coisa desse gênero, desde que provoque dor extrema e intensa.


Bem, partindo desse princípio, vamos fazer um pequeno tour pelas partes mais sensíveis do corpo humano, as quais podem ser fustigadas com a mais absoluta segurança. Veremos também os princípios básicos de açoitamento, a intensidade que deve ser imprimida no mesmo e os tipos mais adequados de instrumentos para cada situação.


Comecemos então nossa pequena viagem pelas partes mais sensíveis do corpo. Para isso teremos de dividi-lo em três partes fundamentais:


1. o tecido de sustentação (que é o esqueleto)


2. o aparelho locomotor (que são os músculos e tendões)


3. a terceira são as vísceras ou tecidos ocos (membranas de revestimento dos órgãos)


Agora passemos aos acessórios usados para aplicar os castigos (os açoites, neste caso), de acordo com suas características e formas:


1. rígidos
2. flexíveis
3. estreitos
4. largos


OBS.: esta segunda divisão tem origem no principio físico que diz: quanto maior a superfície, menor a pressão.


Bem, então comecemos pelas estruturas mais rígidas como os ossos. Sua principal característica é a falta de flexibilidade. Por isso, sob um golpe ou uma forte tensão, quebram-se. Ou seja, uma sessão de spanking com um pau ou um cacetete, por exemplo, pode produzir fraturas gravíssimas, inclusive fratura exposta.


Já quanto falamos em músculos e tendões, referimo-nos aos tecidos estriados ou de contração voluntária, cuja principal característica é sua elasticidade. Geralmente, os músculos das nádegas, são grossos, estão protegidos por uma camada de tecido adiposo sob a pele, são curtos de longitude e, além disso, não protegem nenhuma estrutura oca, ou seja, é o típico local onde se pode aplicar uma surra prazerosa com quase todos os tipos de acessórios, sem correr graves riscos. Os spankers mais experientes, ao aplicarem uma sova, utilizam-se de um chinelo no lugar da mão, que se usada, pode ficar dolorida, mas é inegável o grande prazer proporcionado pelo toque violento da mão pesada do spanker bunda do spankee.


Devemos que ter especial cuidado com os tendões, pois carecem da elasticidade dos músculos e atuam como os cabos de uma grua articulada, sendo, os músculos, o motor, enquanto que o peso da grua seriam os ossos. O efeito de uma pressão inadequada, como no caso de algum golpe mal dado sobre uma área com tendões, poderia produzir uma inflamação dos mesmos; o que conhecemos como tendinite. Esta é uma lesão grave, difícil de curar, que pode acontecer com muita facilidade.


Por último, estão os tecidos ocos ou as vísceras é que não resistem aos golpes e consequentemente se rompem com extrema facilidade. Entre elas estão o fígado, os rins, o pâncreas, os intestinos, etc... A maioria delas localizam-se no abdômen e, além disso, não têm, diferente dos pulmões ou do coração, a caixa torácica, que atua como uma verdadeira "armadura" protetora. Além das vísceras ou tecidos ocos, incluímos também as veias e artérias. Os hematomas e vermelhões são produzidos pela facilidade que elas têm em se romperem.


Então, durante uma sessão de spanking temos que evitar as áreas desprotegidas de músculo, como a parte inferior da perna, a canela, bem como as articulações em geral, pois, uma técnica mal aplicada numa área inadequada pode produzir sérias lesões. Então, para se fazer uma sessão de spanking perfeita, por todo o corpo, temos que estar constantemente atentos a maneira, o local e a intensidade da pancada, ou seja, para cada parte do corpo a ser espancada deve-se usar um tipo específico de instrumento de fustigação, com a força adequada e muita atenção!


É amplamente divulgado que no Spanking, assim como no SM, devemos começar com coisas bem simples e ir aumentando aos poucos. É bom ressaltar, que com a intensidade dos golpes acontece o mesmo. Nem todos os spankees têm a mesma resistência à dor e por isso deve-se começar suavemente. Primeiro, com golpes suaves e pequenos, e depois ir aumentando a intensidade, conforme a tolerância. Precisamos lembrar que é muito mais satisfatória, para ambas as partes, uma tortura refinada do que um espancamento brutal. Por isso, é mais interessante ir aumentando a intensidade dos golpes, ao invés de aplicarmos pauladas cujas consequências poderiam ser nefastas.


No começo, abordamos (en passan) o principio físico que diz que, quanto maior a superfície, menor a pressão. Então, se batermos com uma vara (cane) ou uma chibata, cujo diâmetro chega a apenas um centímetro, a pressão exercida por esse golpe é muito maior, ocasionando algo parecido a um corte. Se batermos com uma palmatória, a intensidade é distribuída uniformemente por toda a superfície da mesma. Resumindo, se batermos com uma chibata ou com uma vara (cane), podemos provocar golpes muito mais profundos, com lesões vasculares, como hematomas, coisa que dificilmente acontecerá se usarmos a mão, um chinelo, uma palmatória, ou até mesmo uma raquete de ping-pong. Um hematoma em si não teria maiores problemas, mas se isso se tornar repetitivo, pode chegar a deixar lesões permanentes e alterações do tecido de graves consequências, tais como ulcerações, por exemplo. Por outro lado a palmatória, a mão, etc... produzem lesões menos profundas, muito mais extensas e quantidade e qualidade de dor muito mais adequada à um jogo meramente sexual, onde a intenção é apenas a de fazer um "carinho mais violento", o que por sua vez, é bem mais interessante!


Devemos observar também que, para extrair a pele dos animais, estes eram mortos a pauladas, para que a capa da pele e a epiderme se soltem, arrebentando as células de gordura que sustentam os outros tecidos. Isso também pode acontecer aos humanos. Para evitarmos deixar cicatrizes permanentes na pele, devemos utilizar instrumentos que sejam planos, evitando golpes com a parte cilíndrica do cabo da chibata ou dos chicotes. O mais indicado é o chicote de 12 fios(de couro), pois, a chibata e a vara (cane), deixam marcas terríveis, muito difíceis de disfarçar, ou se sem querer, batermos com a ponta deles, deixaremos feridas abertas. Além disso, a vantagem que o chicote de 12 fios tem frente à chibata é que o chicote é semi-rígido e vai descarregando a força à medida que se agarra ao corpo. Com isso, as lesões são menores e o castigo se amplia por toda a extensão do chicote. É preferível usar uma cinta ou um chicote de 12 fios, a utilizar uma chibata. Se usar uma chibata, prefira as que terminem em lingüetas de couro.


Por último, para os iniciantes, recomendo que, além de começar com suavidade, incrementando aos poucos a intensidade e a duração do castigo, o façam também com objetos suficientemente grandes (chinelos e palmatórias) e, pouco à pouco, à medida que adquiram habilidade com esses, comecem a diminuir seu tamanho, trocando-os paulatinamente por outros. O uso do chicote longo, vara (cane) ou chibata, pode ser praticado, previamente, como treinamento, em almofadas caseiras: para adquirir pontaria, o spanker iniciante deve aplicar uma força equilibrada e controlar a mesma. Na almofada deve ficar uma marca uniforme e não muito profunda nem larga, pois quanto mais fino o instrumento de castigo, mais treinamento é preciso para o seu uso correto e mais perigosa é a sua utilização.


9)- Podolatria



Pés femininos: decifrar, devorar, adorar ...
por Arnaldo Bloch - "Globo On Line"
(texto enviado por um fã muito especial)


Não confundir com pedofilia, prática execrada pelos podólatras. A podolatria (não adianta procurar a palavra, não existe no Aurélio) é uma prática adulta, eventualmente adúltera, mas não inclui menores no seu tratado. Menores, só os pés femininos acima de 18 anos que calcem abaixo de 35. Mas também podem ser grandes, belos ou chatos, macios ou ressecados, limpos, sujos, secos ou suados, perfumados ou "com odor forte" (para não mencionar o chulo "chulé" e seus matizes).


Tudo depende do perfil do público que, em seus diversos segmentos, cresce em progressão geométrica, provocando uma explosão de sites na internet (no Brasil já são centenas e, no exterior, milhares) dedicados exclusivamente ao apimentado assunto. Especialistas como o empresário Giuliano Moretti tornam-se célebres na mídia virtual, e fazem de livros como "Tesão pelos pés" um cult do e-commerce. Escalada na moda Falar em podolatria saudável pode causar estranheza tratando-se de fetiche normalmente associado ao universo sadomasoquista, já bastante estigmatizado. Se, de fato, o desejo de ser subjugado ou de dominar alimentam uma de suas variantes mais antigas - centrada no uso de sapatos, botas e saltos pressionando o pênis e outras partes do corpo do homem - outras modalidades de adoração vão ganhando terreno. Na publicidade e na mídia em geral, os pés conquistam preciosos minutos diários de difusão. São corriqueiros os anúncios nos quais eles são totemizados. Imagens que podiam chocar há duas décadas, e que hoje são comuns para marcas como Calvin Klein, Versace e Gucci.


Enquanto isso, os anéis e as correntes, sem falar em unhas pintadas de cores bizarras, deixam para trás as prosaicas pulseirinhas de calcanhar para assumir funções simbólicas muitas vezes conectadas aos mistérios do Oriente. Nada disso é novo, mas enfim assistimos à democratização do imaginário podólatra. Na literatura, quem leu Nabokov sabe que os pés de Lolita são uma fixação do professor Humbert-Humbert.


Mito do humor brasileiro, Henfil usava o perverso Fradim para confessar que gostava de beijar pés, "principalmente com um leve chulezinho". No cinema, os pés preenchem um mundo de fotogramas. A imagem mais festejada dos últimos tempos está no thriller "Jackie Brown", de Quentin Tarantino, onde os pés de Bridget Fonda oferecem-se em longo close das solas voluptuosas e dedos enfeitados. Em "Pulp Fiction", Uma Thurman exibe ângulos saborosos aos amateurs . Em "Um drink no inferno", dançarina de um clube enfia seu pé na boca do espectador, arrancando aplausos silenciosos. Uma das melhores fotos do ensaio da Feiticeira na revista "Playboy" nada tem a ver com seios siliconados, mas com um belo e ornado pé dominando a página colorida.


Mas é na internet que a mítica pedólatra ascende simultaneamente a seus níveis mais sublimes e aos subterrâneos mais sórdidos, dependendo do ponto de vista. Galerias de fotos acessíveis gratuitamente nos sites e via mail nos clubes eletrônicos dão um bom panorama das variantes. A saber: a variante estética, que limita-se à apreciação da beleza e das curvas dos pés, ou à fixação na promessa de nudez representada pela carne à mostra em sandálias e tamancos. A vertente tátil, onde o que vale é o contato do corpo, das mãos, do rosto, da boca e da língua com tão singular universo epidérmico. A químico-odorífica, complexa arte da degustação olfativa, praticada inclusive em casas especializadas onde os chulés oferecidos através de fendas na parede são classificados por aroma e intensidade, como se fossem chás ingleses. A variante lúdico-masoquista, dedicada à prática das cócegas combinada à bondage (pés amarrados). A manipulação, na qual os pés ganham status de órgão sexual, desde que dotados de habilidades masturbatórias (os chineses, ao deformar os pés de suas mulheres transformando-os em "Pés de Lotus" levaram tal prática a deplorável paroxismo). E os estranhos simbolismos advindos da prática de fotografar pés esmagando frutas, tortas e, mais raramente, insetos (!).


Os sites promovem também longas discussões, onde as dezenas de milhares de adeptos (em 99% dos casos homens ou lésbicas disfarçadas atrás de hotmails de fantasia, pois as dominatrix escondem-se amiúde) confessam suas taras livres dos grilhões da rotina familiar, profissional e afetiva.

Pela internet promovem-se também encontros específicos, uma vez que nem sempre é possível garimpar uma "alma- pé", restando aos afeitos e afoitos fugazes beijos roubados dos pés da namorada, da esposa ou da amante durante os ápices do ato convencional.


Especialistas divulgam suas idéias, desmistificando o assunto e a inibição que oprime o universo podólatra. Cuja origem, por sua vez, é antiga e controversa, dependendo do caso associada a representações sublimadas ou a ritos atávicos em sociedades matriarcais. Dizem que o percentual de homens que têm fixação pelos pés é muito maior que o de mulheres.


Mulher em si é o maior fetiche A explicação estaria no cérebro: a região que comanda o pênis é adjacente à área que sensibiliza os pés. Dependendo da proximidade das ligações nervosas, é maior a tendência podólatra. Freud tinha outra explicação, evidentemente de caráter fálico, rechaçada pelos podólatras heterossexuais, satisfeitos em curtir os pés do sexo oposto que, somados a outros atributos, fazem da fêmea, em si, o fetiche absoluto.



10)- O Mundo Goreano:

A filosofia goreana
Uma introdução a filosofia goreana ou ao goreanismo


A filosofia goreana se originou de um conjunto de 26 livros, conhecidos como “Crônicas da contra terra”, escritos pelo professor John F Lange, professor de filosofia do Queens College em Nova York sob o pseudônimo de John Norman.


Nesta obra, através de um enredo de ficção científico-fantástica, ele propõe um mundo onde os homens serem dominadores e as mulheres submissas é a forma natural de vida.


Com o advento da onda "politicamente correta" nos USA a obra de John
Norman não pôde mais ser publicada. Posteriormente, com a popularização da Internet, começaram a surgir grupos pondo em prática diferentes interpretações sobre o modo goreano, inicialmente de forma virtual migrando depois para relacionamentos reais.


Os principais grupos que se auto-intitulam goreanos podem ser classificados em quatro grandes grupos:


Filósofos:


Os filósofos mais puristas não estão realmente interessados em viver o modo de vida goreano, antes buscam discutir a natureza humana e a forma como a sociedade humana oprime tal natureza.


“Lifestylers”:


São os goreanos que buscam viver a filosofia goreana adaptada a realidade e as limitações da socio-culturais. Têm marcada preocupação com a coerência de suas práticas com a filosofia goreana mas também vivem o aspecto fetichista do goreanismo o que, as vezes, pode ser confundidos com as praticas do grupo seguinte.


"Role Players":


São os goreanos que buscam viver como se estivessem efetivamente em GOR tanto quanto possível. Alguns “Role Players” limitam sua prática à internet enquanto outros trazem-na para a vida real.


"Posers":


São grupos que aplicam o estilo goreano a outras práticas, fetichistas ou não, que podem em maior ou menor grau se contrapor a filosofia goreana.


O restante deste texto ser concentrará em discutir características da filosofia goreana e da prática dos “Lifestylers”, assim não se aplica aos outros grupos descritos acima ou a quaisquer outros que tenham sido omitidos.


A filosofia goreana esta baseada em duas premissas básicas, sem as quais não se pode ser goreano:


O papel natural do homem é o de dominador e o papel natural da mulher é o de submissa.


Cada um deve ser sincero com a sua própria natureza individual e ocupar o seu lugar de acordo com as suas competências e habilidades reais.


Embora definir completamente a filosofia goreana seja uma tarefa complexa existem pelo menos quatro aspectos do goreanismo que devem ser ressaltados:


Gor é uma forma de D/s ritualístico.


A base do goreanismo é a dominação psicológica onde o mestre tem grande poder na vida da submissa, a ritualística goreana tem o objetivo de incrementar a experiência da dominação.


Gor é uma filosofia sobre a natureza dos gêneros e a relação entre eles.


GOR é antes de tudo uma forma de filosofia de vida. Ou se crê nela ou não e cada um tem o poder de interpretar e aplicar esta filosofia segundo a sua interpretação pessoal. É por isso que existem goreanos tão diversos.


Gor é uma forma de supremacia masculina.


Na filosofia goreana não há espaço para dominadoras ou submissos. Isto não é uma forma de preconceito apena entende-se que o goreanismo não é o lugar destes.


Gor é uma das diversas linhas na família do BDSM.


O BDSM tem diversa linhas de pensamento. Todas igualmente válidas e merecedoras de seu espaço. O goreanismo é uma delas.


Existem também muitos conceitos errados sobre Gor, entre eles é importante citar quatro:


Gor não é uma forma de SM


Na prática goreana o SM pode ser usado como forma de se exercer a dominação, como castigo, ou como forma de treinamento mas a ênfase não é no SM é, antes, na dominação e no servir ao Mestre. Cabe esclarecer que embora muito dos Mestres goreanos sejam, individualmente, praticantes do SM não existe uma “cena goreana” apenas cenas com goreanos. Também não é verdade que os goreanos devam punir as suas escravas sem um motivo válido e explicado, não por proibição mas porque seria uma forma extremamente ineficiente de punição totalmente em desacordo com a forma goreana.


O Goreanismo não é RPG (Role Playing Game)


A ritualística goreana dos “Lifestylers” pode ser confundida com uma forma de RPG (Role Playing Game) mas não é. Evidentemente isso não se aplica aos “Role Players”.


Gor não é machista


O gereanismo tem, algumas vezes, sido acusado de ser machista e embora seja uma filosofia de supremacia masculina ele apresenta discordâncias fundamentais com o machismo pois em GOR a escrava é um ser valioso e desejável muito diferente da prática machista.


Gor não é inimigo de outras formas de fetiche, do BDSM ou das relações tradicionais (“baunilha”).


A filosofia goreana, ao valorizar a verdade individual, não tem nenhuma animosidade contra qualquer outra forma de fetiche ou contra as relações tradicionais chamada no meio BDSMista de “baunilha”.


O modo goreano tem ainda algumas diferenças do D/s tradicional em geral embora varias relações D/s se aproximem do modo goreano de ser.


Algumas características do modo goreano incluem:


Uma escrava goreana (a escrava goreana é chamada de kajira) é uma posse do seu mestre, mas em geral não será tratada como lixo. Não será sujeita a, por exemplo, lamber a sola das botas do seu Senhor. A kajira é um bem, negociável até, mas precioso. Um Mestre goreano não irá estragar sua posse ou deixar que outro o faça.


O objetivo da kajira é o bem estar do seu Dono. E ela deve viver para prover tal bem estar.


A kajira não tem direitos (O seu único direito, na terra, é deixar de sê-lo).


Os Mestres Goreanos tem o direito de terem mais de uma kajira, e não é dado às kajiras não aceitarem isso.


Na prática gorena não existem os contratos como se fazem no BDSM porque as regras do goreanismo já estão bem definidas.


O Mestre é soberano em suas decisões no que tange a sua própria casa e as suas kajiras.


Existem muitas outras caracteríticas da ritualística, da filosofia e da prática goreana que não foram discutidas aqui, entre elas incluem-se as castas dos Mestres, os tipos de kajiras, a linguagem falada e escrita, etc.


11)- A força dos Mestres Goreanos



A filosofia goreana está baseada, entre outros tantos, no princípio da supremacia masculina e no respeito e na fidelidade à verdade individual. Ser goreano implica obrigatoriamente em crer que o papel natural do homem é o de Dominador, enquanto que o papel natural da mulher é o de submissa. Esta crença não implica, nem autoriza, nenhum Goreano, seja Mestre ou kajira (escrava) a desrespeitar o direito inalienável de escolha de qualquer individuo no BDSM ou fora dele. Assim é obrigação de qualquer Goreano respeitar a opção de dominadoras, submissos, podólatras e dos demais fetichistas bem como daqueles que optam por relações não fetichistas independente de serem compatíveis com as suas próprias crenças.


Crer na supremacia masculina não implica em ver a mulher como inferior, nem como alguém com menos valor que o homem. Significa, sim, crer que o homem deve ser possuidor de uma força que o impele a uma posição de dominância.


Quando se fala em força masculina muitos podem associa-la imediatamente à força física. A força física, entretanto, é completamente dispensável no que tange a força de um Mestre Goreano.


A força de um Mestre Goreano é na verdade a força moral. Quando se fala de força moral não se está fazendo nenhuma referência à moral no sentido de “bons costumes” ou de comportamentos aceitáveis segundo os padrões de uma sociedade.


Força moral é na verdade manifesta, entre outras:


Pela coerência entre palavras e ações. O que um Mestre Goreano diz deve ser coerente com o que ele pratica. Ao contrário do que se pensa o Mestre Goreano não é obrigado a ser sempre duro e inflexível consigo ou com suas kajiras, ele tem o direito de tratá-las como julgar adequado(1) premiando, punindo, autorizando ou proibindo comportamentos segundo seu próprio julgamento.


Pela coragem de encarar as pró prias fraquezas. O homem goreano não deve ter medo de demonstrar emoções(2) , de admitir seus medos(3), seus erros, ou suas fraquezas. É tolice acreditar que algum homem será isento de medos ou fraquezas e tal tolice se opõe frontalmente à filosofia Goreana.


Pela fidelidade aos princípios que sustenta. Todo ser inteligente tem, sempre, o direito de mudar de idéia sobre qualquer assunto, ser intransigente não é mérito é, sim, em geral, inaptidão em lidar com as novas idéias e situações que invariavelmente surgem.


Fidelidade aos próprios princípios também não pode ser confundido com inflexibilidade que também indica uma inaptidão em lidar com o novo e se constitui em uma fraqueza disfarçada em posição de força. Mas um Mestre Goreano não deve mudar de opinião ou ferir os seus princípios por conveniências locais ou por qualquer outro motivo que não seja a genuína conclusão que sua posição anterior era equivocada.


Pela seu uso comedido do poder. O poder de um Mestre Goreano sobre a vida de sua kajira é imenso a ponto de poder causar danos extensos tanto físicos como, e principalmente, emocionais. Todo aquele que realmente detêm o poder não tem a necessidade de demonstra-lo a todo tempo.


Pela sua cortesia, gentileza e educação. Atitudes grosseiras podem ser confundidas com demonstrações de poder apenas por por aqueles que acreditam que a única forma de força é a força física ou que querem esconder suas inseguranças atrás de uma máscara de rudeza.

Pela sua paciência tanto com suas kajiras como com quem não é capaz de entender as sutilezas da filosofia Goreana.


Pela sua capacidade de reconhecer e se inserir em hierarquias. Todo ser humano sempre esta inserido em uma hierarquia e não há poder sobre a terra que não esteja submetido a um poder maior(4). Não é digno do poder, nem tem o direito de exigir obediência, aquele que não respeita os poderes que existem sobre ele.


Pela sua constante busca de conhecimento. Só um tolo acha que conhece tudo o que há a ser conhecido e tal tolice não deve ser característica de quem seja ser um Mestre Goreano.


Pela sua sabedoria. Este é provavelmente o aspecto da força de um Mestre Goreano mais difícil de ser conquistado. A sabedoria se conquista pela experiência, pela vivência e por um esforco genuíno de buscar o auto aprimoramento em todas as dimensðes da sua própria vida.


A filosofia goreana tem profundo respeito pela natureza humana e particularmente pela natureza de cada gênero. Sabe-se que é da natureza masculina ser competitivo e por vezes agressivo e isso não é negado ao homem, que deve,de acordo com seus gostos e habilidades, se desenvolver física e mentalmente para exercer a sua competitividade. Na obra de John Norman encontram-se freqüentemente jogos(5) que têm por objetivo exercitar e dar vazão a agressividade masculina. Mas todos estes instintos genuínos dos homens não podem ser confundidos com a verdadeira força de um Mestre Goreano.


As características acima buscam esclarecer o que é a força moral que se espera de um Mestre Goreano, elas não pretendem compor uma lista exaustiva, nem tem o objetivo de serem ferramentas para julgar os Mestres que, como foi dito acima, devem estar em constante desenvolvimento. Elas são, antes, diretrizes para orientar os Mestres no seu próprio crescimento.


12)- Os deveres do Mestre Goreano



Algumas pessoas acreditam que Mestres, Dominadores e em particular Mestres Goreanos não tem de responder a ninguém que não a si mesmos e não têm deveres, obrigações e rituais a seguir. Tal crença não poderia estar mais longe da verdade.


Neste artigo pretendemos mostrar alguns dos principais deveres e obrigações dos Mestres Goreanos. O uso do termo obrigação pode soar estranho aos que estão afastados do poder, mas não existe poder sobre terra que não responda a um poder maior seja esse natural(1), humano(2), moral(3) ou religioso(4). Esta hierarquia de poderes de forma alguma desmerece o poder do Mestre antes o exalta a medida em que o torna parte de uma estrutura de poder maior que ele mesmo e maior do que qualquer homem sozinho poderia ser.


Os deveres do Mestre Goreano podem ser divididos em três categorias: deveres com outros Mestres; deveres com as suas kajiras; deveres com a filosofia goreana.


Os deveres com outros Mestres, mulheres livres e pessoas não ligadas à filosofia goreana envolvem questões de honra, respeito e coerência.


Entre eles estão:


Respeito à posição de dominância de outros Mestres com referencia a suas escravas, protegidos e convidados. É considerada uma desonra para um Mestre tentar submeter ou usar a escrava de outro Mestre sem a autorização explicita deste, ou semelhantemente invadir a privacidade de seus protegidos ou convidados.


Ser honesto e justo quando solicitado a julgar seus pares ou opinar sobre matéria de honra, moral ou ética.


Respeito as opções de outras pessoas não relacionadas a GOR como por exemplo: dominadoras, rainhas, podólatras, escravos e etc...


Respeito às decisões do conselho da sua HomeStone.


Assumir a responsabilidade por seus erros, quando reconhecidos.


Assumir a responsabilidade por erros cometidos por suas escravas, seus protegidos ou convidados, quando reconhecidos.


Proteger efetivamente seus protegidos e convidados contra abusos de outros Mestres, livres ou de visitantes na comunidade goreana.


Colaborar com outros mestres no cuidado e na divulgação da cultura Goreana.


Orientar, na medida de sua capacidade, outros Mestres sobre a filosofia, cultura e práticas Goreanas.


Receber a instrução de mestres com mais experiência sem se sentir diminuído por isso.


Com relação as suas próprias kajiras os deveres de um Mestre goreano estão prioritariamente relacionadas a cuidado e proteção, entre eles estão:

Dominar as suas kajiras. E, através deste domínio, dirigir-lhes a vida, os pensamentos e sentimentos.

Proteger as suas kajiras como bem precioso que são.


Conhecer intimamente cada kajira que possua. Com a sensibilidade de perceber os seus desejos, necessidades e preocupações.


Cuidar do bem estar de suas kajiras sob todos os pontos de vista que seja capaz, incluindo o emocional, mental e físico. Tal cuidado não se opõe a sua dominância nem põe o Mestre a serviço da kajira, tão somente representa o cuidado de um Dono com seus bens de maior valor.


Ser paciente com os limites de cada kajira, reconhecendo-os e ajudando-a a superá-los.


Ser um mestre no sentido de ensiná-las sempre a serem melhores kajiras.


Ser coerente em palavras e ações com o objetivo de fornecer a suas kajiras um ambiente saudável que possibilite o seu serviço.


Cuidar do desenvolvimento físico, emocional, intelectual das kajiras bem como quaisquer outras dimensões que, segundo seu julgamento e percepção, sejam relevantes no desenvolvimento delas.


Ser justo em julgamentos, avaliações e premiações. Particularmente quando possuir mais de uma kajira
Punir, sempre com o objetivo de educar, os comportamentos indesejáveis.


Ter uma relação individual com cada uma de suas kajiras (6).

Finalmente, os deveres de um Mestre com relação à filosofia goreana envolve principalmente aspectos relacionados a princípios, entre estes pode-se citar:


Honra, integridade.


Coerência entre suas palavras e atos.


Coragem e forca para manter os princípios nos quais acredita.

Domínio próprio.


Desejo de auto desenvolvimento e maturidade para usar seu conhecimento.


Coragem para assumir os próprios sentimentos e fraquezas.


Força para seguir com sua missão apesar de seus sentimentos e fraquezas.


Força para assumir a sua própria essência, mesmo inserido em uma cultura que se opõe a tal natureza.


Compromisso com a disseminação da cultura goreana com sabedoria mas sem permitir que os seus princípios sejam distorcidos.


As listas acima não pretendem ser exaustivas, também não são um conjunto de regras a ser decorado e repetido, mas são tão somente uma orientação para os Mestres sobre o que buscar em si mesmos lembrando sempre que o ser Mestre é um processo de crescimento constante e não um estado cristalizado. Também são uma orientação para as novas kajiras sobre como não serem enganadas por mestres incapazes ou arbitrários que desonrem o nome e a filosofia goreana.


13)- As obrigações das escravas goreanas:

O mundo de GOR é um mundo de ficção científica/fantástica criado por John Frederich Lange, professor de filosofia no Queens Colege em Nova York sob o pseudônimo de John Norman. Este mundo apresenta uma realidade diversa da realidade da terra e tem por objetivo demonstrar a visão de mundo de John Norman, que é, em maior ou menor grau, partilhada por aqueles que se identificam como goreanos.


Neste mundo fictício a escravidão é uma prática normal e frequentemente mulheres são capturadas e levadas à condição de escravas. As escravas goreanas são chamadas kajiras, que é simplesmente a palavra no idioma goreano para escrava, elas serão assim referidas ao longo deste texto.


Os seguidores da filosofia goreana na terra se organizam em estruturas semelhantes as descritas na obra de Norman(1) assumindo papeis de Mestes e kajiras. O objetivo do presente texto é discutir as principais obrigações das kajiras goreanas(2).


Antes de começar a discutir as obrigações da kajira goreana é importante observar quatro aspectos que separam a kajira de GOR da kajira da terra:


Em GOR a escravidão é uma instituição da sociedade, desta forma a kajira de GOR pode, e geralmente é, escravizada contra a sua própria vontade, enquanto que na terra a kajira o é por escolha, consciência ou natureza.

A mulher goreana, mesmo a mulher livre, é educada para saber tudo o que um kajira deve saber, todas as formas de servir e de agradar a um Mestre. Isso ocorre por que em GOR sempre existe a possibilidade de uma mulher livre ser capturada e feita escrava.


A mulher goreana tem a liberdade de ser plena em sua feminilidade no sentido de que não se espera dela que entre em competição com os homens ou que busque suplanta-los. Ela tem a liberdade de ser mulher, sem as pressões típicas da cultura ocidental da terra.


A kajira de GOR é livre para vivenciar toda a sua sexualidade sem nenhuma forma de limitação ou preconceito(3), isto é decorrente da condição de kajira na qual a completa ausência de direitos é naturalmente acompanhada por uma completa ausência de pudor ou constrangimento.


Estas diferenças devem estar na mente do Mestre Goreano sempre que este estiver lidando com as limitações de suas kajiras, não no sentido que elas devam ser dispensadas de se desenvolverem completamente na sua condição, mas na preocupação do Mestre de ajuda-las com amor, paciência e firmeza a superar tais limitações.


Apesar dessas diferenças pode-se traçar diversas semelhanças entre as obrigações das kajiras de GOR e da terra que podem ser divididas em três categorias: obrigações com seu Mestre; obrigações com outros livres sejam eles goreanos ou não e deveres com a filosofia goreana.


As obrigações com seu Mestre são, e devem sempre ser, a maior preocupação de uma kajira, é ao seu Mestre que ela deve todo seu respeito e temor e a quem ela precisa agradar em primeiro lugar. Entre estas obrigações eles estão:


Obediência incondicional. Sem reservas, tentativa de manipulação ou esquemas.


Disponibilidade total. Os desejos de Mestre devem ser postos acima de outras obrigações.


Buscar o bem estar mais total e completo de seu Mestre. Este deve ser o motivo da existência da kajira e sua maior preocupação.


Transparência total. Uma kajira nunca pode mentir para seu mestre ou por omissão permitir que Ele forme uma idéia errada no limite da sua habilidade e conhecimento.


Ter em mente a sua condição bem como a do Mestre e se comportar de acordo.


Saber quando e como declarar a sua opinião de forma a não ferir nem a transparência nem o comportamento adequado a uma kajira.

Ser agradável a todos os sentido do seu Mestre visão, audição, olfato, paladar, tato e intelecto. Esta obrigação não se limita à presença do Mestre, antes, deve ser um estado permanente da kajira, parte se sua natureza.


Tornar, na medida da sua competência e possibilidade, o ambiente agradável a todos os sentido do seu Mestre.


Antever, na medida da sua habilidade, as necessidades e desejos do seu Mestre. Ela deve ser pro-ativa, inteligente e criativa, sem estas qualidades é impossível ser um boa kajira.


Desenvolver as suas habilidades e competências nos aspectos acima.


Entender que falta de habilidade ou competência não deve ser usada como desculpa para falta de cuidado, de atenção ou de dedicação.


Assumir a responsabilidade por seus erros, e aceitar a punição deles decorrente com submissão.


Respeitar as normas da liturgia definidos por seu Mestre.


Preservar a imagem e a honra de seu Dono frente a outras pessoas através de um comportamento impecável.


Se manter em constante desenvolvimento em todas as dimensðes da sua própria vida e personalidade de forma a estar sempre mais apta a servir o seu Mestre.


Com relação a outros livres, sejam Mestres goreanos, mulheres livres goreanas ou tops do BDSM de qualquer sexo as obrigações de uma kajira são:


Demonstrar respeito primeiramente aos Mestres goreanos, depois às mulheres livres goreanas. Esta ordem representa as hierarquias dentro do universo goreano e devem ser respeitadas. Se houverem membros do conselho dirigente de qualquer grupo goreano estes devem ser respeitados acima de outros Mestres goreanos presentes com exceção unicamente do seu próprio Dono.


Informar o seu estado de kajira e as limitações impostas por seu mestre a quaisquer outros tops que a abordem.


Finalmente, a kajira tem ainda uma última familia de deveres em decorrência da sua obrigação de ser sempre agradável, os comportamentos com outras kajiras, particularmente com as irmãs de coleira(4), isto é, as kajiras de um mesmo Dono, entre eles destacam-se:

Cortesia, gentileza e convívio amigável.


Disponibilidade para ensinar posições, técnicas e aspectos litúrgicos quando conhece-los melhor.


Humildade e disponibilidade para aprender posições, técnicas e aspectos litúrgicos quando em companhia de uma kajira mais experiente.


As listas acima não pretendem ser exaustivas, também não são um conjunto de regras a ser decorado e repetido, mas são tão somente uma orientação para as kajiras sobre o que buscar em si mesmas lembrando sempre que o ser kajira é um processo de crescimento constante e não um estado cristalizado. Também são uma orientação para os Mestres sobre o que esperar e como treinar uma kajira com amor, paciência e firmeza, buscando sempre evitar comportamentos arbitrários que desonrem o nome e a filosofia goreana.


 
      VISITANTES AO BLOG

4 comentários:

RotinaDeUmCasal disse...

Delícia de blog, sensacional!!!

Já levamos para o programa hoje, lá em casa!!!!

Bjão quente e molhado

Carol e Dom Corno

Betty B. disse...

Olá, meu nome é Keryn, sou graduanda do curso de Design de Moda, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, e meu trabalho de TCC é sobre o estilo BDSM, suas vertentes, e vestes. Gostaria da ajuda ajuda de vocês para auxilio na pesquisa de público alvo, se puderem publicar, ou pelo menos divulgar entre os conhecidos, já estaria ótimo. Desde já agradeço a atenção.
O link para o questionário: https://docs.google.com/forms/d/1jdZfHQlsnd1XO10ltn80Yh9DZtDXi_TU7jG3uPkTWmo/viewform

Betty B. disse...

Olá, meu nome é Keryn, sou graduanda do curso de Design de Moda, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, e meu trabalho de TCC é sobre o estilo BDSM, suas vertentes, e vestes. Gostaria da ajuda ajuda de vocês para auxilio na pesquisa de público alvo, se puderem publicar, ou pelo menos divulgar entre os conhecidos, já estaria ótimo. Desde já agradeço a atenção.
O link para o questionário: https://docs.google.com/forms/d/1jdZfHQlsnd1XO10ltn80Yh9DZtDXi_TU7jG3uPkTWmo/viewform

Suelen Castro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.